Follow by Email

Páginas

sexta-feira, 2 de março de 2012

Brigas com o irmão

Liturgia diária


Sexta-feira, 02 de março de 2012
1ª Semana da Quaresma
Cor Roxa

> Primeira leitura: Ez 18, 21-28
> Responsório: Sl 129
> Evangelho: Mt 5, 20-26

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

        Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
        20“Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus.
        21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’. 22Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: ‘Patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de ‘tolo’ será condenado ao fogo do inferno.
        23Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta.
        25Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Conviver com as pessoas

Reflexão do Evangelho:


       Segundo o evangelista Mateus, é importante a consciência de que “a ira do homem não realiza a justiça de Deus” (Tg 1,20) e que é pela prática da justiça divina que a sua vida é restaurada sobre a terra. Isto é tão fundamental que se torna imprescindível na vida existencial do homem e extensivo a todas as outras práticas, no seu dia a dia, para tornar possível a convivência dos homens entre si e entre o meio ambiente.
       “Ouvistes o que foi dito…”, “Eu, porém, vos digo…”. Jesus não pretende “reformar” a complexa doutrina do Judaísmo. Ele veio nos ensinar a viver em plenitude a Lei de Deus e nos adverte que a nossa justiça deve ser maior do que a dos mestres e dos fariseus que viviam na rigidez da Lei, mas se esqueciam de que o maior mandamento do Senhor era justamente o amor; também se esqueceram de que, mais importante que a Lei em si, é o bom relacionamento entre as pessoas.
       Muitas vezes, nós também, como os escribas e fariseus, nos apegamos ao que a Lei nos exorta: “não fazer”. Ficamos, então, alerta para não cometer as faltas mais graves como matar, roubar, adulterar, ter maus pensamentos, etc. “Todo aquele que se encoleriza com o seu irmão será réu de juízo.”
       O desejo primeiro de Deus, ao criar os seres humanos, é que estes vivam na mais perfeita comunhão, deixando de lado tudo quanto possa dividi-los e separá-los pelo muro da inimizade. O ódio e a divisão constituem flagrante desrespeito à vontade divina.
       O homicídio é uma forma incontestável de ruptura com o próximo, culminando com a sua eliminação. Para evitar isso, Deus condenou, definitivamente, esse crime com o mandamento: “Não matarás”.
       Todavia, a eliminação física do próximo é antecedida por outros gestos de eliminação de igual gravidade. Por exemplo, a simples irritação contra os outros e as palavras ofensivas contra eles são formas sutis de atentar contra a vida alheia. O discípulo do Reino não pode agir desta maneira.
       A Palavra de Deus – que Jesus veio esclarecer para nós – vai além das coisas que praticamos, mas atinge também o que nós pensamos, falamos ou expressamos a partir do nosso coração. Assim sendo, não podemos chamar os nossos irmãos e irmãs de “tolos” nem mesmo de ”idiotas”.
Quanto ensinamento para nós!
       A oferta que fazemos ao Senhor será desnecessária se, primeiro, não oferecermos a nossa compreensão e perdão às pessoas com as quais nos relacionamos. Enquanto caminhamos, aproveitemos o conselho do Mestre para que a nossa justiça seja maior do que a justiça dos “mestres da Lei” e dos “fariseus” de hoje.
       Como é a nossa justiça? O que é justo para Deus? A justiça de Deus é o amor, o perdão e a reconciliação. Mas e a nossa? Fazemos as nossas ofertas no altar do Senhor, mas como está o nosso coração? Reflita agora: “Como eu trato as pessoas com as quais convivo?”.
       Você tem o costume de “falar mal” dos outros e faz isso “de coração”? Já pensou que, quando você faz a oferta do seu coração, na hora da Santa Missa, ele pode estar sujo pela falta de perdão, da ofensa feita, do ódio por alguém?
       A reverência a Deus passa pelo respeito ao próximo.
       Na liturgia de hoje, Jesus exige de mim e de você – como Seus discípulos – a reconciliação com o próximo antes de fazer a próxima oferenda a Deus. Se alguém está para fazer sua oferta, mas se recorda de algum desentendimento com o próximo, deverá deixá-la aos pés do altar e reconciliar-se, antes, com o Senhor. Caso contrário, a oferta não terá valor perante Deus.
       O Senhor vem nos revelar que qualquer doutrina ou lei só tem valor à medida que contribui para a libertação e a promoção da vida. Jesus não propõe uma doutrina, mas ensina a prática restauradora da vida. A grande novidade que Ele nos ensina, hoje, é o perdão sem limites e a reconciliação, pois são estes que nos levam à comunhão de vida com Deus e com os irmãos.
       Por isso, quero, Senhor Jesus, que me ensine a perdoar meus irmãos e irmãs para, assim, estar em comunhão com o Seu Sacratíssimo Coração e com o coração do meu próximo.

Homem de luta

Santo do dia (02/03/2012):
São Simplício


       Papa da Igreja, pertencente ao Clero de Roma, o santo viveu mergulhado num contexto de grande instabilidade, seja por parte das heresias que rondavam a Igreja, como também por parte externa, da sociedade e do Império que estava para ruir.
        Foi escolhido para sucessor de São Pedro no ano de 468. Um homem de testemunho e oração, sensível aos ataques internos que a Igreja sofria por parte do Nestorianismo - que buscava espalhar a mensagem entre os cristãos de que Cristo não teria nenhum ligação com Deus, negando o mistério da Encarnação - e também o Monofisismo, onde pregravam como verdade que a natureza divina suprimiu a natureza humana de Cristo.
        Simplício se deparava com essa realidade, mas com autoridade, cheio do Espírito Santo e em comunhão com o Clero, se tornou cada vez mais canal da luz, que é Cristo, para essas situações.
        São Simplício demontrou com a vida que vale a pena caminharmos com o coração fixo na recompensa que o Senhor quer nos dar na Glória. Faleceu em 483, e hoje intercede por nós.