Follow by Email

Páginas

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Renúncia do Papa: quase 8 anos de pontificado

"Comoventes sinais de atenção, amizade e oração"


Bento XVI encerrou seu pontificado com calorosa despedida dos fiéis

       Durante os sete anos e dez meses do pontificado de Bento XVI, os católicos estiveram ao lado dele para acompanhar suas audiências gerais e as orações do Santo Angelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano. Em suas viagens apostólicas, por diversos países, Bento XVI foi recebido com grande alegria e fraternidade por parte dos cristãos.
       O carinho dos cristãos pelo Pastor da Igreja é muito forte, pois o Santo Padre é um elo de Deus com a Igreja. Bento XVI foi um Papa que se dedicou muito a escrever encíclicas, cartas apostólicas, mensagens pontifícias e outros ensinamentos que ficarão para nós cristãos como uma grande fonte de sabedoria e ensinamentos.
       Foram muitas as demonstrações de carinho a ele nestes dias. Em sua última audiência pública, no Vaticano, cerca de 150 mil pessoas acompanharam o pronunciamento do Pontífice.
       “Comoventes sinais de atenção, amizade e oração. Sim, o Papa nunca está só, experimento-o agora, uma vez mais, de um modo tão grande que toca o coração. O Papa pertence a todos e tantíssimas pessoas sentem-se muito perto dele”, disse o Pontífice.
       No site oficial da Santa Sé é possível encontrar todas as formações e mensagens deixadas por Bento XVI neste tempo que esteve à frente da Igreja.


Pontificado de Bento XVI

Sé Vacante: oração pela Igreja

Clima de oração toma conta da Praça de São Pedro


Início do período de Sé Vacante:
Jovens se reúnem em oração na Praça de São Pedro, no Vaticano.


       Oração, lágrimas e aplausos unidos ao som dos sinos da grande Basílica Vaticana anunciaram, às 20 horas (horário de Roma), que a Cátedra de Pedro está vazia. Este era o clima sentido por todos que se fizeram presente na Praça de São Pedro nesta quinta-feira, 28, horário em que a Sé Apostólica ficou oficialmente vacante.
       Grupos de peregrinos, provenientes de vários partes do mundo, logo se uniram em oração. Um clima de profunda espiritualidade tomou conta do ambiente, cenas que talvez não consigamos traduzir em palavras.       Um grupo de sacerdotes e seminaristas cantavam de joelhos o Regina Caeli no centro da Praça de São Pedro. Num outro ponto, jovens com velas nas mãos se reuniam em grupos de oração numa vigília pela Igreja. Sim, é verdade que também um clima de orfandade podia ser sentido entres os peregrinos. Pessoas que não sabiam para onde olhar, o que falar ou como se comportar. As palavras eram, muitas vezes, trocadas por um abraço, um Pai-Nosso ou uma Ave-Maria dirigidas, a Bento XVI – agora bispo emérito de Roma -, e ora para o futuro da Igreja.




Sé Vacante
       Às 20 horas (horário local), no exato momento em que tocaram os sinos da Basílica de São Pedro, também no Palácio Apostólico em Castel Gandolfo, milhares de pessoas acompanharam o momento em que a Guarda Suíça deixou o serviço de segurança de Bento XVI, fechando o grande portão de madeira diante de numerosas pessoas que gritavam: viva o Papa. O corpo militar, que na tradição da Igreja faz a guarda do Sumo Pontífice, volta para o Vaticano e já não se ocupa da segurança do Papa emérito.
       O Palácio Apostólico do Vaticano foi lacrado e as janelas, da qual Bento XVI saudou os peregrinos por quase oito anos, agora estão fechadas e com as luzes apagadas até a posse do futuro Sucessor de Pedro.



Fonte: http://papa.cancaonova.com/clima-de-oracao-toma-conta-da-praca-de-sao-pedro/

Sé Vacante: à espera do novo Papa...

Portas fechadas: 
ato simbólico dá início à Sé Vacante

Em Castel Gandolfo, gesto de fechar as portas marca o início da Sé Vacante


Igreja inicia período sem o governo de um Papa
       A Sé Apostólica está vacante. Às 20h de Roma (16h em Brasília) a Igreja entrou no período de vacância. A partir de agora, Bento XVI , o Papa emérito, não é mais o Pontífice da Igreja Católica e o trono de Pedro está vazio.
       Em Castel Gandolfo, o momento foi simbolizado pelo som das badaladas dos sinos e o fechamento da porta da residência pontifícia. Os fiéis presentes gritavam “Viva o Papa”, enquanto se fechavam as portas. Outra ação marcante foi a ausência da Guarda Suíça: os oficiais recuaram as armas e deixaram a proteção do Papa. A segurança do local onde está Bento XVI será feita, a partir de agora, por uma guarda italiana.
       A página oficial do Vaticano na internet foi alterada também às 16h. No lugar da imagem de Bento XVI está agora escrito: “Apostolica Sedes Vacans” – A Sé Apostólica está vacante.
Padre Francisco Fernandez, brasileiro residente em Roma, relata o clima entre os religiosos nesse momento:
       “Aqui em nossa casa (Colégio Sacerdotal João Paulo II), há um clima de serenidade e aparente normalidade. Cada um, se interrogado pessoalmente, falará de um certo aperto no coração. Não é fácil para nós padres vermos a partida de um Papa de tamanha grandeza. Bento XVI nos deixa escrita uma página de Evangelho vivido. Talvez a palavra que melhor expresse o momento seja, de fato, aquela mais usada pelo Santo Padre esses dias: obrigado!”.
       Nos próximos dias os cardeais se reunirão para definir a data do Conclave.


Fonte: http://papa.cancaonova.com/porta-fechadas-ato-simbolico-da-inicio-a-se-vacante/

Obrigado / Thank you / Gracias


(Portuguese)
A equipe do "Jovem em Ação" agradece a Deus pela vida e pelo ministério exercido pelo Papa Bento XVI... Estamos em oração e muito obrigado Papa Bento XVI... Deus te abençoe!!!


(English)
The team of "Young Action" Thank God for the life and ministry exercised by Pope Benedict XVI ... We are in prayer and thank Pope Benedict XVI ... God bless you!


(Spanish)
El equipo de "Acción Joven" Gracias a Dios por la vida y el ministerio ejercido por el Papa Benedicto XVI ... Nos encontramos en la oración y agradecer el Papa Benedicto XVI ... Dios los bendiga!


(French)
Le personnel du programme «Jeunesse en action" Merci à Dieu pour la vie et le ministère exercé par le pape Benoît XVI ... Nous sommes dans la prière et je remercie le pape Benoît XVI ... Que Dieu vous bénisse!



(Italian)
Lo staff  "Azione Giovani" Grazie a Dio per la vita e il ministero esercitato da Papa Benedetto XVI ... Siamo in preghiera e ringrazio Papa Benedetto XVI ... Dio vi benedica!



(German)
Die Mitarbeiter von "Jugend in Aktion" Danke Gott für das Leben und Wirken von Papst Benedikt XVI ausgeübt ... Wir sind im Gebet und danken Papst Benedikt XVI ... Gott segne Sie!



(Latim)
Virga "Iuvenis re" pro vita et ministerio cras ... exercebit Benedictus XVI Nos sumus in oratione, et gratias ago Pope Benedict XVI ... Benefaciat vobis Deus!

Viver o "HOJE" para garantir o "AMANHÃ"

Liturgia diária



Quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013
2ª Semana da Quaresma
Cor Roxa


> Primeira leitura: Jeremias 17, 5-10
> Responsório: Salmos 1
> Evangelho: Lucas 16, 19-31



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!



       Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias. 
       20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
       22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
       25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
       27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa de meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. 29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’.
       30O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. 31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’. 

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Discípulo de mosteiro

Santo do dia:

São Romano





        Nascido no ano 390, o monge Romano era discípulo de um dos primeiros mosteiros do Ocidente, o de Ainay, próximo a Lion, na França. No século IV, quando nascia a vida monástica no Ocidente, com o intuito de propiciar elementos para a perfeição espiritual assim como para a evolução do progresso, ele se tornou um dos primeiro monges franceses. 
       Romano achava as regras do mosteiro muito brandas. Então, com apenas uma Bíblia, o que para ele era o indispensável para viver, sumiu por entre os montes desertos dos arredores da cidade. Ele só foi localizado por seu irmão Lupicino, depois de alguns anos. Romano tinha se tornado um monge completamente solitário e vivia naquelas montanhas que fazem a fronteira da França com a Suíça. Aceitou o irmão como seu aluno e seguidor, apesar de possuírem temperamentos opostos.
       A eles se juntaram muitos outros que desejavam ser eremitas. Por isso teve de fundar dois mosteiros masculinos, um em Condat e outro em Lancome. Depois construiu um de clausura, feminino, em Beaume, no qual Romano colocou como abadessa sua irmã. Os três ficaram sob as mesmas e severas regras disciplinares, como Romano achava que seria correto para a vida das comunidades monásticas. Romano e Lupicino se dividiam entre os dois mosteiros masculinos na orientação espiritual, enquanto no mosteiro de Beaume, Romano mantinha contato com a abadessa sua irmã, orientando-a pessoalmente na vida espiritual.
       Consta nos registros da Igreja que, durante uma viagem de Romano ao túmulo de São Maurício, em Genebra, ele e um discípulo que o acompanhava, depois também venerado pela Igreja, chamado Pelade, tiveram de ficar hospedados numa choupana onde havia dois leprosos. Romano os abraçou, solidarizou-se com eles e, na manhã seguinte, os dois estavam curados.
       A tradição, que a Igreja mantém, nos narra que este foi apenas o começo de uma viagem cheia de prodígios e milagres. Depois, voltando dessa peregrinação, Romano viveu recluso, na cela de seu mosteiro e se reencontrou na ansiada solidão. Assim ele morreu, antes de seu irmão e irmã, aos 73 anos de idade, no dia 28 de fevereiro de 463.
       O culto de São Romano propagou-se velozmente na França, Suíça, Bélgica, Itália, enfim por toda a Europa. As graças e prodígios que ocorreram por sua intercessão são numerosos e continuam a ocorrer, segundo os fieis que mantêm sua devoção ainda muito viva, nos nossos dias.



Vaticano: inicia período de Sé Vacante

Artigo: Dom Demétrio explica o período de Sé Vacante


Dom Luiz Demétrio Valentini em encontro com Bento XVI



Dom Demétrio Valentini
Bispo de Jales (SP)

Do dia 28 de fevereiro, quinta-feira, às 20 horas de Roma, a Igreja Católica está sem Papa. Efetivada a renúncia de Bento XVI, começa o período de “sede vacante”. Está vago o cargo de Papa.
Tudo conforme ele mesmo tinha determinado, no dia 11 de fevereiro, quando estabeleceu o dia e a hora exata em que ele deixaria de exercer a missão de Papa.
De tal modo que toda a Igreja teve tempo de assimilar a notícia da inesperada decisão, e contar com a segurança das disposições que entram logo em vigor quando vem a faltar o Papa.
Assim todos podemos ter segurança e serenidade, sabendo que estão agora previstos todos os passos que vão levar à eleição de um novo Papa, dentro de poucos dias.
Desta vez a situação foi inusitada. Quando morria um Papa, estávamos acostumados a acompanhar o seu enterro, e agradecer Deus o dom de sua vida, colocada a serviço da Igreja até o momento de sua morte.
Fomos surpreendidos por uma inesperada decisão do Papa, que sentindo suas forças faltarem, decidiu renunciar, para deixar o lugar a outro que pudesse cumprir esta pesada missão com renovadas energias.
Desta maneira, não é que ele abandonou o barco, para cair fora. Ao contrário, sentiu tanta responsabilidade pesando em seus ombros, que achou mais acertado, para o bem da Igreja, renunciar à sua missão de Papa, para que esta missão seja assumida por alguém em plenas condições de suportar o peso deste cargo todo especial.
Com isto, de certa maneira, Bento XVI deu um claro recado ao novo Papa. Seja quem for o eleito, ele poderá contar com o apoio de todos para enfrentar “as questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho”, como ele mesmo falou no dia em que anunciou sua renúncia.
Como todos já pudemos constatar, Bento XVI nos deixa um claro e comovente testemunho de tantas virtudes, que o ajudaram a tomar esta decisão. Foi humilde para reconhecer sua fraqueza física. Foi desprendido em deixar de lado as honras e o poder do cargo que ocupava. Foi sobretudo responsável, comunicando sua decisão, a tempo de todos assimilarem a notícia e assumirem suas responsabilidades.
Com sua renúncia, Bento XVI nos deixa um comovente exemplo de total devotamento à missão que Deus dá a cada um. Sua renúncia se assemelha a um grande retiro, onde ele poderá agora se deter com mais serenidade, vinda de sua paz de consciência pelo dever cumprido, e da abundante semeadura, que a seu tempo germinará e dará muitos frutos.
Pelo inusitado da renúncia, o fato se revestiu de expectativas de mudanças na vida da Igreja. Com seu gesto, Bento XVI acabou demonstrando que é possível provocar mudanças, mesmo num aparato tão monolítico como se tornou a estrutura da instituição eclesial.
Parecia que o impulso renovador do Vaticano II já tivesse se esgotado. De repente, a renúncia de um Papa acaba mostrando que é possível, sim, mudar muitas coisas,  que o peso da história parecia canonizar como imutáveis!
Nestes dias de sede vacante, estas esperanças se concentram na pessoa do novo Papa que vai ser eleito. Mas podemos alargá-las, apostando nas iniciativas renovadoras que poderão contagiar a Igreja inteira, como aconteceu com João 23.


Fonte: http://papa.cancaonova.com/vaticano-comeca-periodo-de-sede-vacante/

Sé Vacante: termina o pontificado de Bento XVI

Pontificado de Bento XVI terminou nesta quinta-feira




       Desde às 20h (horário de Roma, 16h em Brasília), desta quinta-feira, 28, terminou o Pontificado de Bento XVI, após quase oito anos à frente da Igreja Católica, e teve início o período de Sé Vacante. Esse horário foi escolhido pois era a hora em que Bento XVI costumava terminar seu dia de trabalho.
       Como sinal do fim do Pontificado de Bento XVI, o Cardeal Carmelengo, que atualmente é Dom Tarcísio Bertone, irá quebrar o Anel do Pescador (anel do Papa) e lacrar o apartamento e o escritório papal, à espera do novo Pontífice, como estabelece a Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis.
       O Anel do Pescador é o sinal visível da autoridade do Papa, que ele recebe em momento solene no início do seu Pontificado e usa no dedo anular direito. O anel, confeccionado em ouro, traz gravado o nome do Pontífice e a imagem em relevo do Apóstolo Pedro pescando sobre uma barca. Com a morte de cada Papa, ou neste caso, a renúncia, o Cardeal Camerlengo quebra o símbolo na presença dos representantes do Colégio dos Cardeais.
       Durante a Sé Vacante, toda a Igreja é convidada a se unir em oração, aos Sagrados Pastores e aos Cardeais eleitores do Sumo Pontífice, e “implorar a Deus o novo Papa como dom de sua bondade e Providência”, orienta a constituição Universi Dominici Gregis.

Confira as perguntas mais frequentes sobre o futuro de Bento XVI
- Bento XVI vai aparecer ao público após a renúncia?Não estão previstas aparições após 28 de fevereiro. Em sua chegada a Castel Gandolfo, Bento XVI deverá saudar os vizinhos e visitantes da fachada principal da Casa Pontifícia. Esta deverá sera sua última aparição pública.


- Onde Bento XVI irá morar?Bento XVI residirá em Castel Gandolfo de 28 de fevereiro até o final de abril ou início de maio. A partir de então, o Papa emérito residirá no Mosteiro ‘Mater Ecclesia’ no Vaticano. Até outubro de 2012 residiam ali as Irmãs de Clausura visitandinas. Os trabalhos de reforma foram iniciados em novembro de 2012 e serão concluídos nos próximos meses.

- Por que o Pontífice escolheu ficar num mosteiro no Vaticano e não retornar à Baviera, sua terra natal?Bento XVI não mencionou claramente, mas a presença e oração de Bento XVI no Vaticano dá uma continuidade espiritual ao papado. Além disso, Bento XVI mora no Vaticano há mais de três décadas.

- Quem vai assessorar o Papa emérito?Quer em Castel Gandolfo, quer no Mosteiro ‘Mater Ecclesia’, Bento XVI será acompanhado por Dom Georg Gaenswein, seu secretário particular, que permanece no cargo de Prefeito da Casa Pontifícia.


Fonte: http://papa.cancaonova.com/se-vacante-termina-pontificado-de-bento-xvi/

Renúncia do Papa: acolhida em Castel Gandolfo

Em clima de despedida, Castel Gandolfo acolhe Bento XVI


Papa Bento XVI é acolhido por fiéis em Castel Gandolfo


Fiéis recebem Bento XVI com faixas e muitos aplausos de gratidão:
       A pequena cidade de Castel Gandolfo recebeu o Papa Bento XVI, na tarde desta quinta-feira, 28, após ter deixado o Vaticano para o fim de seu pontificado. O helicóptero do Papa pousou na cidade situada na região do Lácio, na Itália, às 17h24 (horário de Roma), às 13h24 pelo horário de Brasília.
       Já na sacada da residência, com breves palavras, o Papa se dirigiu ao povo agradecendo o carinho com que foi recebido e afirmando que se sente muito bem com a presença de cada fiel.
       Bento XVI destacou que os próximos dias em Gandolfo serão, não como Pontífice, mas como peregrino, “um peregrino que conclui a última etapa de sua peregrinação”, disse ele. “Gostaria ainda, com meu coração, trabalhar pelo bem comum, pelo bem da Igreja e da humanidade. Vamos em frente com o Senhor pelo bem da Igreja e do mundo”, afirmou. O Papa concluiu a breve fala abençoando os fiéis e desejando a todos uma boa noite.
       Milhares de fiéis aguardavam a chega de Bento XVI em frente à residência pontifícia onde ficará hospedado o Santo Padre até o término do Conclave. Os fiéis recepcionaram o Santo Padre com faixas expressando apoio oracional e palavras de gratidão ao Pontífice que, durante quase oito anos, governou a Igreja de Cristo.



Renúncia do Papa: partida...

Bento XVI deixa o Vaticano e segue para Castel Gandolfo


Momento em que o Papa Bento XVI deixa o Vaticano

       Exatamente às 16h58 (horário de Roma, 12h58 em Brasília), o Papa Bento XVI deixou o Vaticano, após receber vários cumprimentos. O Papa se dirigiu de automóvel para o heliporto, onde embarcou às 17h07 (13h07 em Brasília  para Castel Gandolfo, trajeto que tem duração média de 15 minutos.
       Bento XVI sobrevoou vários locais da cidade de Roma antes de seguir viagem. Uma multidão de fiéis aguardam Bento XVI no Palácio Apostólico de Castel Gandolfo. Ali o Santo Padre deve dirigir uma pequena saudação aos fiéis.
       A Sede vacante terá início às 20h (horário de Roma, 16h em Brasília) desta quinta-feira, 28. A partir desse momento, Bento XVI será chamado Papa emérito ou Romano Pontífice Emérito. Bento XVI ficará em Castel Gandolfo até meados do mês de maio, quando ingressará no Mosteiro Mater Ecclesia, no Vaticano.



Renúncia do Papa: agradecimentos pelo twitter

Papa Bento XVI posta sua última mensagem no Twitter


Bento XVI escreve seu último tweet como Pontífice

Confira o último tweet do Sumo Pontífice Bento XVI:
       Na mensagem, o Santo Padre escreve:“Obrigado pelo vosso amor e o vosso apoio! Possais viver sempre na alegria que se experimenta quando se põe Cristo no centro da vida.”O Papa Bento XVI twittou nesta quinta-feira, 28, sua última mensagem como Pontífice, via twitter – @pontifex.
       A menção do Papa na rede social tinha sido prevista durante coletiva de imprensa, nesta manhã, no Vaticano, e ocorre no momento em que Bento XVI deixa o Santa Sé e segue para Castel Gandolfo.
       Após esse último tweet, conforme já havia pontuado o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, o perfil do Papa no twitter ficará suspenso, deixando a possibilidade do novo Papa retomá-lo, caso queira.

Renúncia do Papa: nota oficial de Dilma

Dilma emitiu nota à decisão de renúncia de Bento XVI





       “Nesta oportunidade, recordo os gestos de apreço com que o meu país foi distinguido nesses últimos anos”
       A Presidente da República, Dilma Rousseff, emitiu uma nota oficial, nesta manhã de quinta-feira, dia 28, sobre a decisão de Bento XVI em renunciar ao papado.
       Em nota, a chefe de Estado manifestou respeito à decisão do Sumo Pontífice ao tomar a decisão de renunciar o seu pontificado e ainda desejou que este novo tempo de “recolhimento o encontre com saúde e paz.”
       Destacou ainda o apreço que Bento XVI demonstrou ter pelo Brasil ao decidir sediar o V CELAM, no qual, reunidos em Aparecida (SP), os  bispos da América Latina e do Caribe, na Quinta Assembleia Episcopal, aberta pelo Papa, relataram problemas que afetam a Igreja neste Continente e que precisam ser resolvidos à luz da fé.
       Dilma Rousseff, aproveitou também a oportunidade para ressaltar a escolha do país para sediar a Jornada Mundial da Juventude, no qual milhares de jovens de diversos países estarão reunidos no Rio de Janeiro.

       Abaixo segue a Nota Oficial:

“Santo Padre,

Ao findar o seu Papado, manifesto o meu respeito pela decisão de Vossa Santidade de renunciar à Cátedra de S. Pedro.

Nesta oportunidade, recordo os gestos de apreço com que o meu país foi distinguido nesses últimos anos. São marcos históricos no relacionamento entre a Santa Sé e o Brasil a escolha de Aparecida do Norte para sediar a V CELAM, que ensejou a sua visita ao país, a canonização do primeiro Santo brasileiro, Dom Antonio Galvão de França, assim como a histórica decisão de realizar a Jornada Mundial da Juventude na cidade do Rio de Janeiro.

Desejo que essa nova fase de recolhimento o encontre com saúde e paz.”

Respeitosamente,


Dilma RousseffPresidenta da República Federativa do Brasil


Renúncia do Papa: comentários do Cardeal Dom Odilo

"É tempo de sentir com a Igreja", 
diz Dom Odilo em Roma


Dom Odilo Pedro Scherer
Cardeal arcebispo de São Paulo (SP)

       O Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, já está em Roma para viver os últimos momentos do pontificado de Bento XVI e também participar dos trabalhos do Conclave que elegerá o novo Sucessor de Pedro. O prelado brasileiro chegou à capital italiana, para a última audiência geral com o Papa, que aconteceu na última quarta-feira, dia 27, um momento histórico para a Igreja que Dom Odilo destacou como “emocionante e profundo”.
       “O Papa, na audiência, falou de uma maneira profunda e, ao mesmo tempo, transparente sobre o que significava a sua renúncia, fazendo também um convite para que a Igreja viva o essencial de sua fé: a confiança em Jesus Cristo, que não abandona a Sua Igreja. Nós sabemos que as pessoas passam, o Papa também passa, mas a Igreja permanece”, disse o Cardeal.
       Durante entrevista com com a equipe de jornalismo da Canção Nova, Dom Odilo salientou que Bento XVI deixa um grande legado para a Igreja, como um pastor que soube falar de assuntos profundos de uma forma simples.  “O Ano da Fé, por exemplo, é um grande legado de Bento XVI, que chama a Igreja a renovar a sua fé. Junto a isso podemos também destacar o convite para uma Nova Evangelização, cuja exortação apostólica, do último Sínodo dos Bispos, realizado em outubro de 2012, ficará para o próximo Papa, mas foi Bento XVI quem alertou a Igreja para este novo impulso evangelizador. Recordemos também que, no Sínodo dos Bispos, em 2008, o Papa chamou toda a Igreja a se voltar para a centralidade da Palavra de Deus. Então, parece-me que o grande legado que Bento XVI deixa para nós são essas chamadas para vivermos o essencial da nossa fé.”
       Falando dos trabalhos do Conclave e de toda a especulação que se cria em torno dos cardeais e do futuro Papa pela mídia em geral, Dom Odilo ressaltou que é tempo de unidade e oração pela Igreja. “Eu tenho falado e torno a repetir: vamos viver este tempo com fé e unidos à Igreja. Se nós ficarmos ouvindo os comentários, as especulações, podemos ficar muito confusos. Então, vamos ficar com a Igreja, sentir por dentro dela, vendo com um olhar de fé aquilo que está se passando, neste tempo, sem nos deixar amedrontar, concluiu o Cardeal.



Renúncia do Papa: último compromisso

Despedida: Bento XVI se reúne com cardeais antes de deixar pontificado


Papa Bento XVI durante despedida dos cardeais, no Vaticano.


Bento XVI reuniu-se com o Colégio Cardinalício para despedir-se dos cardeais
       No encontro, o decano do colégio cardinalício, Cardeal Dom Angelo Sodano, dirigiu algumas palavras de homenagem ao Santo Padre. O Cardeal manifestou o profundo afeto dos cardeais pelo Papa e a gratidão pelo seu testemunho de serviço apostólico, para o bem da Igreja de Cristo e de toda a humanidade.O Papa Bento XVI reuniu-se na manhã desta quinta-feira, 28, com o Colégio Cardinalício em audiência privada, último compromisso de seu Pontificado. Na ocasião, o Santo Padre despediu-se dos cardeais.
       O decano recordou o agradecimento expresso pelo Santo Padre no último sábado, no encerramento dos exercícios espirituais. Na ocasião, Bento XVI agradeceu à Cúria Romana não só pela semana de reflexões, mas também pelos quase oito anos nos quais compartilhou com ele o peso do ministério petrino.
       “Amado e venerado Sucessor de Pedro, somos nós que devemos agradecer-lhe pelo exemplo que nos destes nestes quase oito anos de Pontificado. (…) Saiba que ardia também o nosso coração quando caminhávamos contigo nestes últimos oito anos. Hoje queremos uma vez mais exprimir-lhe toda a nossa gratidão”.
       Diante das palavras, o Santo Padre também agradeceu. Ele afirmou, como já havia dito aos fiéis na última audiência geral, realizada ontem, que os conselhos recebidos dos cardeais ao longo de seu pontificado foram grandes riquezas para seu ministério. “Mesmo quando havia nuvens no céu, servimos Cristo e sua Igreja com amor total… demos esperança… só Deus pode iluminar nosso caminho… agradeço ao Senhor que nos uniu”.
       Bento XVI manifestou seu desejo de que se possa crescer essa unidade profunda, de que o Colégio Cardinalício possa crescer em harmonia. Ele destacou o caráter vivo da Igreja, que vive iluminada pelo Espírito Santo, força de Deus.
       “Através da Igreja, o Mistério da Encarnação permanece presente para sempre. Cristo continua a caminhar nos tempos e em todos os lugares. Permaneçamos unidos, na oração e Eucaristia cotidiana… Animamos assim a Igreja e toda humanidade… Antes de saudar-vos pessoalmente, quero dizer que estarei próximo a vocês na oração, especialmente nos próximos dias. Que o Senhor lhes mostre o que quer de nós”.
       Logo mais, às 17h (horário em Roma; 13h no horário de Brasília), Bento XVI deixa o Vaticano e segue para Castel Gandolfo. Ele deixa oficialmente o ministério petrino às 20h (16h no horário de Brasília). A partir deste momento, inicia-se o período de Sé Vacante, até a eleição do novo Papa.



Renúncia do Papa: Bento XVI despede-se dos cardeais

Íntegra das palavras de Bento XVI aos cardeais



Boletim da Santa Sé
Na íntegra, última Catequese de Bento XVI
Palavras do Santo Padre

Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano
Quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Venerados e queridos Irmãos!
Com grande alegria vos acolho e dirijo a cada um de vós a minha cordial saudação. Agradeço ao Cardeal Angelo Sodano que, como sempre, soube fazer-se intérprete dos sentimentos de todo o Colégio: Cor ad cor loquitur. Obrigado, Eminência, de coração. E gostaria de dizer – retomando a experiência dos discípulos de Emaús – que também para mim foi uma grande alegria caminhar convosco nestes anos, na luz da presença do Senhor ressuscitado.
Como disse ontem diante de milhares de fiéis que lotaram a Praça São Pedro, a vossa proximidade e o vosso conselho foram de grande ajuda no meu ministério.  Nestes oito anos, vivemos com fé momentos belíssimos de luz radiante no caminho da Igreja, junto a momentos nos quais algumas nuvens pairavam no céu. Procuramos servir Cristo e a sua Igreja com amor profundo e total, que é a alma do nosso ministério. Demos esperança, aquela que vem de Cristo, que somente pode iluminar o caminho. Juntos podemos agradecer ao Senhor que nos fez crescer na comunhão, e juntos rezar para que vos ajude a crescer ainda nesta profundidade, de forma que o Colégio de Cardeais seja como uma orquestra, onde a diversidade – expressão da Igreja universal – contribua sempre para uma maior concórdia e harmonia.
Gostaria de deixar-vos um pensamento simples, que tenho muito no coração: um pensamento sobre a Igreja, sobre o seu ministério, que constitui para todos nós, podemos dizer, a razão e a paixão da vida. Deixo-me ajudar por uma expressão de Romano Guardini, escrita propriamente no ano em que os Padres do Concílio Vaticano II aprovavam a Constituição Lumen Gentium, no seu último livro, com uma dedicação pessoal também para mim; por isso as palavras deste livro são pra mim particularmente queridas. Diz Guardini: a Igreja “não é uma instituição concebida e construída em cima de uma mesa…, mas uma realidade viva… Ela vive ao longo do curso do tempo, em andamento, como cada ser vivo, transformando-se… Contudo na sua natureza permanece sempre a mesma, e o seu coração é Cristo”. Foi a nossa experiência, ontem, parece-me, na Praça São Pedro: ver a Igreja que é um corpo vivo, animado pelo Espírito Santo e vive realmente da força de Deus. Ela está no mundo, mas não é do mundo: é de Deus, de Cristo, do Espírito. Vimos isso ontem. Por isto é verdadeira e eloquente outra famosa expressão de Guardini: “A Igreja se desperta nas almas”. A Igreja vive, cresce e se desperta nas almas, que – como a Virgem Maria – acolhem a Palavra de Deus e a concebem por obra do Espírito Santo; oferecem a Deus a própria carne e, propriamente na sua pobreza e humildade, tornam-se capazes de dar à luz a Cristo hoje no mundo. Através da Igreja, o Mistério da Encarnação permanece presente para sempre. Cristo continua a caminhar nos tempos e em todos os lugares”.
Permaneçamos unidos, queridos Irmãos, neste Mistério: na oração, especialmente na Eucaristia cotidiana, e assim sirvamos à Igreja e toda a humanidade. Esta é a nossa alegria, que ninguém pode nos tirar.
Antes de saudar-vos pessoalmente, desejo dizer-vos que continuarei a ser próximo na oração, especialmente nos próximos dias, a fim de que estejam plenamente dóceis à ação do Espírito Santo na eleição do novo Papa. Que o Senhor vos mostre aquilo que é desejado por Ele. E entre vós, entre o Colégio cardinalício, há também o futuro Papa ao qual já hoje prometo a minha incondicional reverência e obediência. Por isto, com afeto e reconhecimento, concedo-vos de coração a Benção Apostólica.
BENTOXVI_assinatura





Focolares: beatificação


Avança processo de beatificação da Focolarina Ginetta Calliari


Ginetta Calliari
Cofundadora do Movimento dos Focolares no Brasil

       No próximo dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, inicia-se uma nova fase do processo de beatificação de Ginetta Calliari, cofundadora do Movimento dos Focolares no Brasil. A próxima etapa diz respeito ao envio dos documentos do Brasil para o Vaticano. A data será marcada por uma Celebração Eucarística, presidida pelo Bispo da Diocese de Osasco, Dom Ercílio Turco, na Catedral da cidade.
       Segundo Dom Ercílio, a candidata aos altares serve de exemplo para toda a sociedade. "Ginetta foi leiga. Sua vida mostra a todos os leigos e leigas que é possível amar, é possível viver a fé hoje! Mostra que um caminho de santidade suscita transformações, cria novas perspectivas, promove a fé, a paz, a unidade. Precisamos dessa unidade, quando, por toda parte, existem tantas divisões".
         Neste Ano da Fé, destaca o bispo, Ginetta é para nós um modelo de fé em Deus, de adesão à sua Palavra e de confiança plena em sua vontade. Toda a sua vida evangeliza, através de sua ação em vista da construção do Reino de Deus, para que haja vida e todos sejam um. 
       Ginetta Calliari chegou ao Brasil em 1959, na cidade de Recife, com outros sete jovens, entre os primeiros que seguiram Chiara. Faleceu em 8 de março de 2001. Seus livros, seus escritos e suas reflexões que agora fazem parte do material de estudo sobre sua vida e sua santidade, são um estímulo para os católicos na construção de um mundo novo.