Follow by Email

Páginas

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Data histórica: 27 de abril de 2014

João Paulo II e João XXIII serão canonizados em 27 de abril de 2014



       Os beatos João XXIII e João Paulo II serão canonizados em 27 de abril de 2014. A data foi anunciada nesta segunda-feira, dia 30, em Consistório ordinário público presidido pelo Papa Francisco.
       A reunião do Papa com os cardeais aconteceu às 10h (horário em Roma) com os cardeais presentes em Roma. A data escolhida coincide com o segundo domingo do tempo pascal, da Divina Misericórdia, celebração instituída por João Paulo II e na véspera da qual o Papa polaco faleceu, em 2005.
       Durante a viagem de regresso do Brasil em julho, o Papa Francisco justificou a decisão de juntar no mesmo dia a canonização dos seus dois predecessores: "Fazer a cerimônia de canonização dos dois juntos quer ser uma mensagem para a Igreja: estes dois são bons, eles são bons, são dois bons".
       Francisco reconheceu oficialmente um segundo milagre de João Paulo II em julho, depois de ter recebido o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, o que vai permitiu avançar com a canonização do beato polaco. O Vaticano não deu qualquer informação sobre a natureza deste segundo milagre.
       No mesmo dia, Francisco aprovou a canonização de João XXIII, falecido há 50 anos, após ter recebido o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, dispensando o reconhecimento de um novo milagre.


João Paulo II
       João Paulo II foi proclamado beato por Bento XVI em 1º de maio de 2011, na Praça de São Pedro.
       A penúltima etapa para a declaração da santidade, na Igreja Católica, concluiu uma primeira fase de trabalhos, iniciada em maio de 2005, incluindo o processo relativo à cura da freira francesa Marie Simon-Pierre, que o Vaticano considerou um milagre, depois do repentino desaparecimento da doença de Parkinson na religiosa.
       Karol Jozef Wojtyla, eleito Papa a 16 de outubro de 1978, nasceu em Wadowice (Polônia), em 18 de maio de 1920, e morreu no Vaticano, em 2 de abril de 2005.
       A Igreja Católica celebra a memória litúrgica de João Paulo II em 22 de outubro, data que assinala o dia de início de pontificado de Karol Wojtyla, em 1978, pouco depois de ter sido eleito Papa.


João XXIII
       Angelo Giuseppe Roncalli nasceu em 1881 na localidade de Sotto il Monte, Bérgamo, onde foi pároco, professor no Seminário, secretário do bispo e capelão do exército durante a I Guerra Mundial.
       João XXIII iniciou a sua carreira diplomática como visitador apostólico na Bulgária, de 1925 a 1935; foi depois delegado apostólico na Grécia e Turquia, de 1935 a 1944, e Núncio Apostólico na França, de 1944 a 1953.
       Em 1953, Angelo Roncalli foi nomeado patriarca de Veneza e no dia 28 de outubro de 1958 foi eleito Papa, sucedendo a Pio XII.
       João XXIII foi declarado beato pelo Papa João Paulo II no dia 3 de setembro de 2000.


Fonte: Canção Nova Notícias
Capa CN Notícias

Papa Francisco: Diálogo da paz

Em encontro com líderes religiosos, Papa defende diálogo em prol da paz



       A paz foi o tema que permeou o discurso do Papa Francisco nesta segunda-feira, dia 30, aos participantes do encontro internacional sobre a paz promovido pela Comunidade de Santo Egídio. Francisco destacou o papel atuante dos líderes religiosos no diálogo em prol da paz.

Acesse

       Francisco disse que os líderes religiosos têm muito a fazer, enfatizando que este encontro anual já sugere um caminho: a coragem do diálogo, que dá esperança. Ele defendeu o papel atuante dos líderes religiosos pela paz, como verdadeiros mediadores.
       “Cada um de nós é chamado a ser um artesão da paz, unindo e não dividindo, eliminando o ódio e não o conservando, abrindo os caminhos do diálogo e não levantando novos muros! Dialogar, encontrar-nos para instaurar no mundo a cultura do diálogo, a cultura do encontro”. E tão importante quanto o diálogo está a oração, segundo lembrou o Papa. “A relação do homem com Deus é a escola e o alimento do diálogo com os homens”.
       Ele deixou um convite para prosseguir com as orações pela paz. “Continuemos a rezar pela paz do mundo, pela paz na Síria, pela paz no Oriente Médio (…). Esta coragem de paz doe a coragem da esperança ao mundo, a todos aqueles que sofrem pela guerra, aos jovens que olham preocupados para o seu futuro”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Auxílio do conselho de cardeais

Papa confirma conselho de cardeais para auxiliá-lo na reforma da Cúria



       A Santa Sé publicou nesta segunda-feira, dia 30, o Documento de instituição do Conselho de Cardeais criado pelo Papa Francisco para o auxílio em seu ministério Petrino.
       O grupo de cardeais, escolhido pelo Santo Padre, irá estudar um projeto de revisão da Constituição apostólica Pastor Bonus sobre a Cúria Romana. O primeiro encontro ocorrerá nesta terça-feira, dia 1º,  no Vaticano.

Leia na íntegra:


Entre as sugestões que surgiram no decorrer das Congregações Gerais dos Cardeais precedentes ao Conclave, figurava a conveniência de instituir um restrito grupo de Membros do Episcopado, provenientes das diversas partes do mundo, que o Santo Padre pudesse consultar, de modo individual ou coletivo, sobre questões particulares.

Uma vez eleito à Sé Romana, tive a ocasião de refletir diversas vezes sobre esse assunto, acreditando que tal iniciativa seria de notável auxílio para desenvolver o ministério pastoral de Sucessor de Pedro que os irmãos Cardeais desejaram me confiar.

Por esse motivo, no dia 13 de abril passado, anunciei a constituição do mencionado grupo, indicando ao mesmo tempo, os nomes daqueles que foram chamados a fazer parte. Agora, após madura reflexão, penso ser oportuno que tal grupo, mediante o presente Documento, seja instituído como um “Conselho dos Cardeais”, com o dever de ajudar-me no governo da Igreja Universal e estudar um projeto de revisão da Constituição Apostólica Pastor Bonus sobre a Cúria Romana.

Este Conselho será composto pelas mesmas pessoas precedentemente indicadas, as quais poderão ser consultadas, seja como Conselho, seja particularmente, sobre as questões que algumas vezes terei como digna de atenção. Este Conselho, no que diz respeito ao número dos componentes, me reservo de configurar no modo que resultará mais adequado, será uma expressão da comunhão eclesial e do auxílio ao munus petrinum que o Episcopado espalhado no mundo pode oferecer.

Datado em Roma, junto a São Pedro em 28 de setembro do ano 2013, primeiro de Pontificado.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Paz e alegria

Paz e alegria: Papa destaca sinais da presença de Deus na Igreja



       Paz e alegria são os sinais da presença de Deus na Igreja. Assim disse o Papa Francisco na Santa Missa celebrada nesta segunda-feira, dia 30, na capela da Casa Santa Marta. O Santo Padre refletiu ainda sobre o risco de descartar crianças e idosos e de estabelecer o funcionalismo na Igreja.
       Partindo das leituras do dia, Papa Francisco explicou que os discípulos estavam entusiasmados, faziam projetos para o futuro da organização da Igreja, discutiam quem seria o maior. Mas Jesus os surpreendeu, descentrou-lhes as ideias dirigindo-se para as crianças. “Quem de fato é o menor dentre todos vós – diz – é grande”.
       Na Leitura do Profeta Zacarias também se fala desses sinais da presença de Deus, atentando para o cuidado com os idosos sentados nas praças. Então o Papa citou que o risco é descartar seja os idosos seja as crianças, e Jesus faz advertências quanto a isso.
       “Um povo que não cuida dos seus idosos e das suas crianças não tem futuro, porque não terá memória e nem promessa. Os idosos e as crianças são o futuro de um povo! Como é comum deixá-los de lado, não?”.
       Francisco também atentou para o risco de se cair no funcionalismo da Igreja. “Eu entendo, os discípulos queriam a eficácia, queriam que a Igreja caminhasse sem problemas e esta pode ser uma tentação para a Igreja: a Igreja do funcionalismo! A Igreja bem organizada! Tudo certinho, mas sem memória e sem promessa! Esta Igreja assim não vai bem: será uma Igreja de luta pelo poder, será a Igreja dos ciúmes entre os batizados e tantas outras coisas que existem quando não há memória nem promessa”.
       Assim, a vitalidade da Igreja, segundo disse Francisco, não vem dos documentos e reuniões para planificar e fazer bem as coisas, estas são realidades necessárias, mas não são sinal da presença de Deus.
       “O sinal da presença de Deus é este, assim disse o Senhor: Velhos e velhas estarão sentados nas praças de Jerusalém, cada um com o seu cajado para sua longevidade. E as praças da cidade estarão cheias de meninos e meninas que jogarão nas praças. Jogo faz-nos pensar em alegria: é a alegria do Senhor. E estes anciãos, sentados com o seu cajado na mão, tranquilos, fazem-nos pensar na paz. Paz e alegria: este é o ar da Igreja.”


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Angelus - 29/09/2013

Palavras do Papa antes do Angelus



ANGELUS
Praça São Pedro
Domingo, 29 de setembro de 2013

Boletim da Santa Sé


Queridos irmãos e irmãs,

Antes de concluir esta celebração, gostaria de saudar todos vocês e agradecer pela vossa participação, especialmente os catequistas vindos de tantas partes do mundo.

Uma saudação particular dirijo ao meu Irmão Sua Beatitude Youhanna X, Patriarca greco-ortodoxo de Antioquia e de todo o Oriente. A sua presença nos convida a rezar uma vez mais pela paz na Síria e no Oriente Médio.

Saúdo os peregrinos vindos de Assis a cavalo; bem como o Clube Alpino Italiano, no 150º de sua fundação.

Saúdo com afeto os peregrinos de Nicarágua, recordando que os pastores e fiéis desta querida nação celebram com alegria o centenário da fundação canônica da província eclesiástica.

Com alegria recordamos que ontem, na Croácia, foi proclamado Beato Miroslav Bulešić, sacerdote diocesano, morto mártir em 1947. Louvemos ao Senhor, que dá aos desarmados a força do extremo testemunho.

Dirijamo-nos agora a Maria, com a oração do Angelus.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Santa Missa da Jornada dos Catequistas no Vaticano

Papa celebra para catequistas: despertar a memória de Deus no outro



       Na manhã deste domingo, dia 29, Papa Francisco celebrou a Santa Missa por ocasião da Jornada dos Catequistas no Vaticano. Em sua homilia, o Santo Padre refletiu sobre quem é o catequista: aquele que traz em si a memória de Deus e a desperta nos outros.

Acesse

       Francisco iniciou a homilia falando do risco da comodidade, de se ter como centro o próprio bem-estar, o que acontece quando o homem perde a memória de Deus. “Se falta a memória de Deus, tudo se nivela, tudo vai pelo ‘eu’, pelo meu bem-estar. A vida, o mundo, os outros perdem consistência, não contam para nada, tudo se reduz a uma única dimensão: o ter”.
       E quem protege e alimenta essa memória de Deus é justamente o catequista, segundo disse o Papa. Ele citou o exemplo de Maria, que não se fechou em si mesma, mas levou adiante o agir de Deus em sua vida.
       “O catequista é propriamente um cristão que coloca esta memória a serviço do anúncio; não para fazer-se ver, não para falar de si, mas para falar de Deus, do seu amor, da sua fidelidade. Falar e transmitir tudo aquilo que Deus revelou, isso é a doutrina na sua totalidade, sem cortar ou acrescentar nada”.
       Francisco refletiu então sobre os caminhos a percorrer para não ceder ao risco de colocar a segurança em si mesmo e nas coisas materiais. A resposta, segundo ele, está no que diz São Paulo na Segunda Leitura do dia: tender à justiça, à piedade, à fé, à caridade, à paciência e à brandura. (1 Tm 6,11). “Rezemos ao Senhor para que sejamos todos homens e mulheres que protegem e alimentam a memória de Deus na própria vida e sabem despertá-la no coração dos outros”.
       Ao final da celebração, que também teve a presença do Patriarca grego-ortodoxo de Antiochia e de todo o Oriente, Sua Beatitudine Youhanna X, o Santo Padre rezou o Angelus com os fiéis.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: A exemplo de São Francisco de Assis

“Que toda a Igreja seja franciscana”, deseja o Papa



       O Papa Francisco deseja, em nome de toda a Igreja Católica, “uma adesão sempre maior à espiritualidade do pobrezinho de Assis, ícone de Cristo Senhor e generoso testemunho evangélico continuamente amparado por um sincero amor fraterno”.
       É o que afirma o Pontífice em uma mensagem enviada ao quinto ‘Festival Franciscano’, recém-inaugurado na cidade de Rimini, norte da Itália. No texto, o Papa se diz “próximo desta iniciativa que leva o carisma franciscano às praças e em meio ao povo”. Francisco também pede que rezem por ele e por seu ministério.
       O Festival, que se encerrou domingo, dia 29, é dedicado ao tema do Caminho, ocasião para recordar a passagem de São Francisco pela região da Romagna, há 800 anos, e também para falar da “viagem como uma metáfora da condição existencial dos homens e mulheres de hoje”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Você sabia que...

"O verdadeiro cristão não evita a Cruz", diz Papa em homilia



       A prova para entender se uma pessoa é cristã está na capacidade de levar com alegria e paciência as humilhações. Esta foi a reflexão do Papa Francisco na Santa Missa celebrada na Casa Santa Marta nesta sexta-feira, dia 27. O Santo Padre voltou a falar da tentação do “bem estar espiritual”, que impede de amar Cristo plenamente.
       O ponto de partida foi o Evangelho de Lucas, com o trecho em que Jesus pergunta aos discípulos o que as pessoas dizem Dele e o que eles mesmos dizem sobre Ele. Foi quando Pedro respondeu: o Cristo de Deus. Francisco disse que esta é uma pergunta dirigida também aos fiéis de hoje.
       “Foi o Espírito Santo que tocou o coração de Pedro para dizer quem é Jesus. Se é o Cristo, o Filho de Deus vivo, é um mistério, né? Quem poderia explicar aquilo...Mas Ele o disse. E se cada um de nós, em sua oração, olhando ao Tabernáculo, diz ao Senhor: ‘Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo’, primeiro não pode dizê-lo por si mesmo, deve ser o Espírito Santo a dizer isto nele. E, segundo, prepare-se, porque Ele te responderá: ‘é verdade’”.
       Francisco lembrou que Jesus pede a Pedro para não revelar essa resposta a ninguém e depois anuncia a sua Paixão, morte e Ressurreição. Neste ponto, o Santo Padre recordou a reação do chefe dos apóstolos, que declara: “Isto não te acontecerá jamais”. Ele comentou que Pedro se escandalizou não mais nem menos que tantos cristãos que dizem seguir Jesus, mas O seguem para conhecê-Lo até um certo ponto. Esta é, segundo ele, a tentação do bem-estar espiritual.
       “Temos tudo: temos a Igreja, temos Jesus Cristo, os Sacramentos, a Virgem Maria, tudo, um bom trabalho para o Reino de Deus; somos bons, todos. Porque pelo menos temos que pensar isso, porque se pensar ao contrário é pecado!”. Porém, este bem estar espiritual não é suficiente, segundo disse o Papa. “Falta essa última unção do cristão, para ser um cristão realmente: a unção da cruz, a unção da humilhação. Ele se humilhou até à morte, morte de tudo. Esta é a pedra de comparação, a verificação da nossa realidade cristã: eu sou um cristão de cultura do bem-estar? Eu sou um cristão que acompanha o Senhor até a cruz? O sinal é a capacidade de suportar as humilhações”.
       O Papa disse então que o escândalo da Cruz continua a bloquear muitos cristãos. Ele disse que todos querem ressurgir, mas nem todos pretendem fazê-lo pelo caminho da Cruz. E, ainda mais, se queixam das injustiças ou afrontas sofridas, comportando-se ao contrário do que Jesus fez e pede para imitar.
       “A verificação se um cristão é um cristão realmente é a sua capacidade de suportar com alegria e paciência as humilhações, já que isso é algo que não gostamos... Há muitos cristãos que, olhando para o Senhor, pedem humilhações para se assemelhar a Ele. Esta é a escolha: o cristão do bem-estar - que vai para o Céu, certo de salvar-se – ou o cristão próximo a Jesus, pela estrada de Jesus”.


Fonte: Canção Nova Notícias
Capa CN Notícias

Caminho de Jesus

Homilia diária: Papa indica caminhos para conhecer Jesus



       Para conhecer Jesus, é preciso envolver-se com Ele. Foi o que destacou Papa Francisco na Santa Missa da manhã desta quinta-feira, dia 26, na Casa Santa Marta. O Santo Padre afirmou que não se pode conhecer Jesus em “primeira classe”, mas na vida cotidiana. Segundo ele, são três as linguagens necessárias para conhecer Jesus: a da mente, a do coração e a da ação.
       Francisco desenvolveu sua homilia a partir da pergunta de Herodes a Jesus: quem é ele, de onde vem? “Não se pode conhecer Jesus em primeira classe! Jesus é conhecido no caminhar cotidiano de todos os dias. Não se pode conhecer Jesus na tranquilidade nem na biblioteca…”.
       O Santo Padre lembrou que o Catecismo também ajuda a conhecer Jesus, pois ensina muitas coisas sobre Ele, de forma que deve ser estudado. Mas disse que não é suficiente somente estudar o Catecismo, pois é necessário conhecer Jesus no diálogo com Ele, falando com Ele na oração.
       “Se você não reza, se você não fala com Jesus, não O conhece. Você sabe coisas sobre Jesus, mas não com aquela consciência que te dá o coração na oração. Conhecer Jesus com a mente, o estudo do Catecismo. Conhecer Jesus com o coração, na oração, no diálogo com Ele. Isso nos ajuda bastante, mas não é suficiente.”.
       O Papa falou então sobre um terceiro aspecto para conhecer Jesus, que é a ação: caminhar com Jesus. “Não se pode conhecer Jesus sem caminhar com Ele, sem apostar a vida por Ele. Quer saber quem ele é? Lê o que a Igreja te diz sobre Ele, fala com Ele na oração e caminha em seu caminho com Ele. Assim, você conhecerá quem é este homem. Este é o caminho! Cada um deve fazer a sua escolha!”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: "O mundo precisa de união"

Na catequese, Papa destaca unidade na Igreja: “o mundo precisa de união”



       Na catequese da última quarta-feira, dia 25, Papa Francisco refletiu sobre o caráter uno da Igreja. Reunido com os fiéis na Praça São Pedro, o Santo Padre destacou que a Igreja está espalhada em todo o mundo, mas permanece sempre a mesma para todos. E o caminho para a Igreja conservar esta unidade é o da humildade, doçura e magnanimidade.

Acesse

       Francisco explicou que a unidade na Igreja encontra-se na fé, na esperança, na caridade, nos Sacramentos que como “grandes pilastras” sustentam o único grande edifício da Igreja. “Aonde quer que vamos, mesmo na menor paróquia, na esquina mais perdida desta terra, há a única Igreja; nós estamos em casa, somos uma família, estamos entre irmãos e irmãs. E este é um grande dom de Deus! A Igreja é uma só para todos”.
       Ele ressaltou que assim como acontece na família, na Igreja também pode acontecer de estar espalhada pelo mundo. Mas são as ligações profundas que permanecem as mesmas independente da distância. Como exemplo, ele citou a JMJ Rio2013, que revelou um profundo clima de unidade.
       “Perguntemo-nos todos: eu, como católico, sinto esta unidade? Eu como católico vivo esta unidade da Igreja? Ou não me interessa, porque estou fechado no meu pequeno grupo ou em mim mesmo. (…) É triste encontrar uma Igreja privatizada pelo egoísmo e pela falta de fé”, disse.
       O Papa lembrou que às vezes há conflitos e divisões que ferem a Igreja, de forma que ela nem sempre tem a desejada face. As fofocas foram citadas como algo que faz muito mal à Igreja. Ele disse, então, que Deus doa a unidade, mas os próprios homens devem se esforçar para vivê-la.
       “É preciso procurar, construir a comunhão, educar-nos à comunhão, a superar incompreensões e divisões, começando pela família, pela realidade eclesial, no diálogo ecumênico. O nosso mundo precisa de unidade (…) e a Igreja é Casa de comunhão”.
       O Santo Padre concluiu destacando que é o Espírito Santo o motor da unidade da Igreja. “Por isto é importante a oração, que é a alma do nosso compromisso de homens e mulheres de comunhão, de unidade. A oração ao Espírito Santo, para que venha e faça a unidade na Igreja”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Imagem de Nossa Senhora de Fátima no Vaticano

Papa vai acolher imagem Nossa Senhora de Fátima no Vaticano


       O Papa Francisco vai receber no Vaticano a imagem da Virgem de Fátima venerada na Capelinha das Aparições, numa celebração com início marcado para as 17h (horário italiano), no dia 12 de outubro. A inédita deslocação da imagem, que pela primeira vez vai estar fora da Cova da Iria numa peregrinação internacional aniversária, foi um pedido expresso de Bento XVI, Papa emérito, repetido por Francisco, integrando-se na Jornada Mariana do Ano da Fé.
       Em carta dirigida ao bispo de Leiria-Fátima, o presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), Dom Rino Fisichella, justificava a presença no Vaticano da imagem da Capelinha das Aparições como o “desejo vivo” do Papa de que a Jornada Mariana pudesse “ter como especial sinal um dos ícones marianos entre os mais significativos para os cristãos em todo o mundo”.
       Após o acolhimento, na Praça de São Pedro, terá lugar uma “catequese mariana”, segundo o programa divulgado pela Santa Sé. A partir das 19h locais, a imagem de Nossa Senhora de Fátima vai estar no Santuário do Divino Amor para a oração ‘Com Maria para além da noite’, evento organizado pelo Vicariato de Roma e patrocinado pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização. A iniciativa inclui a recitação da oração do Rosário “em união com os santuários marianos espalhados pelo mundo”, adianta o programa divulgado pelo Vaticano, e uma vigília a partir das 22h.
       O Santuário do Divino Amor, cerca de 20 quilômetros a sul do Vaticano, ganhou expressão como polo de peregrinação no século XVIII e a imagem de Nossa Senhora ali venerada recebeu o título de “Salvadora de Roma” em 1944, por decisão de Pio XII, durante a II Guerra Mundial.
       No dia 13 de outubro, a imagem da Senhora de Fátima vai chegar à Praça de São Pedro pelas 8h, seguindo-se a oração do Rosário (10h) e a Santa Missa presidida pelo Papa Francisco (10h30min). A jornada inclui uma celebração de consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria.
       Francisco vai repetir um gesto realizado por João Paulo II,  diante da mesma imagem, a 25 de março de 1984, na Praça de São Pedro, Vaticano. A imagem apenas deixa a Capelinha das Aparições em situações consideradas “muito especiais” e esta será a 12ª ocasião em que tal evento acontece.
       O Santuário de Fátima envia ao Vaticano uma delegação de nove pessoas, presidida pelo reitor, padre Carlos Cabecinhas, com partida na tarde de dia 12 de outubro e regresso no dia seguinte, à noite.
       A Jornada Mariana é um dos eventos pontifícios previstos no calendário de celebração do Ano da Fé (outubro de 2012-novembro de 2013) e vai congregar em Roma centenas de movimentos e instituições.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Cúria Romana

Papa confirma cúpula de conselhos para Leigos e Justiça e Paz



       Nesta terça-feira, dia 24, o Papa Francisco reconfirmou em seus cargos na Cúria Romana o Presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, Cardeal Stanisław Ryłko, e seu secretário, Dom Josef Clemens.
       Eles permanecerão nestas funções por toda a duração do mandato, de cinco anos. Em relação aos membros e consultores do Conselho, foram confirmados até 31 de dezembro de 2013.
       Nada muda no Pontifício Conselho da Justiça e da Paz: além do Presidente, Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, e do Secretário, Dom Mario Toso, todos os membros e consultores foram confirmados até a conclusão de seus quinquênios.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

Papa defende gestão justa e eficaz das migrações



       O Vaticano divulgou nesta terça-feira, dia 24, a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado do próximo ano. Com o tema “Migrantes e Refugiados: rumo a um mundo melhor”, Francisco dá um panorama da questão das migrações e defende que este é um assunto para ser tratado de forma justa e eficaz.
       O Papa destaca no texto a necessidade de promover uma cooperação internacional e o espírito de solidariedade e compaixão em relação aos migrantes e refugiados. “É importante a colaboração em vários níveis, com a adoção unânime de instrumentos de regulamentação para proteger e promover a pessoa humana”.
       Para que isto se realize, Francisco coloca como necessários esforços de cada país, a fim de criar melhores condições econômicas e sociais que garantam a estabilidade e bem-estar das famílias. Ele também cita o papel dos meios de comunicação social na superação de preconceitos em relação à migração.
       “Os meios de comunicação social, neste campo, têm um papel de grande responsabilidade: cabe a eles, de fato, desmascarar estereótipos e fornecer informações corretas, o que significará denunciar o erro de alguns, mas também descrever a honestidade, a retidão e a magnanimidade da maioria”.
       Francisco também aborda na mensagem a preocupação com os casos em que a migração não só é forçada, mas realizada por meio de tráfico humano e escravidão. Mesmo nessas situações, ele recorda que o que anima os migrantes e refugiados é o binômio confiança e esperança. “Eles trazem em seus corações o desejo de um futuro melhor não só para si mesmos, mas também para as suas famílias e para os entes queridos”.
       O Santo Padre encerra o texto com uma mensagem de esperança a todos os migrantes e refugiados. “Que possais encontrar em vossos caminhos uma mão estendida; que vos seja permitido experimentar a solidariedade fraterna e o calor da amizade!”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Humildade de Deus...

Papa fala da humildade de Deus e sua proximidade ao humano



       Jesus espera sempre, esta é a humildade de Deus. Foi o que afirmou Papa Francisco na Santa Missa celebrada nesta terça-feira, dia 24, na Casa Santa Marta. O Santo Padre destacou que o Sacramento não é um rito mágico, mas um encontro com Jesus que acompanha o homem na vida.
       “Vamos com alegria à Casa do Senhor”. Papa Francisco inspirou-se no Salmo do dia para concentrar-se sobre a presença do Senhor na vida do homem, uma presença que acompanha. O Santo Padre observou que há momentos bons e ruins na vida, mas em todos eles Deus está presente.
       “Porque o Senhor, naquele dia do pecado, do primeiro pecado, tomou uma decisão, fez uma escolha: fazer história com o Seu povo. E Deus, que não tem história porque é eterno, quis fazer história, caminhar próximo ao Seu povo. Mais: fazer-se um de nós e como um de nós, caminhar conosco em Jesus. E isto nos fala da humildade de Deus”.
       E a humildade é, segundo disse Francisco, propriamente a grandeza de Deus, que quis caminhar com seu povo mesmo quando este fazia escolhas erradas; Ele estava ali sempre à espera.
       “Humildade. Deus sempre espera. Deus está próximo a nós, Deus caminha conosco, é humilde, nos espera sempre. (…) E o Senhor Jesus, também na nossa vida pessoal, nos acompanha: com os Sacramentos. O Sacramento não é um rito mágico: é um encontro com Jesus Cristo, encontramo-nos com o Senhor”.
       Concluindo sua reflexão, o Papa disse que se Deus entrou na história do homem e se faz próximo a ele, também o homem deve entrar na história de Deus. “Ou ao menos peçamos a Ele a graça de O deixarmos escrever a nossa história: que Ele escreva a nossa história. É segura”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

DVD "#tamujunto com o Papa"

Canção Nova lança DVD da visita do Papa Francisco ao Brasil


       Lançado pelo Departamento de Audiovisuais (DAVI) da Canção Nova, o DVD duplo "#tamujunto com o Papa" traz momentos importantes da visita do Sumo Pontífice ao Brasil, realizada entre os dias 22 e 28 de julho, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013.
       "A TV Canção Nova transmitiu na íntegra a primeira viagem internacional do Papa e, diante do rico conteúdo partilhado por ele em seus gestos e palavras de fé, coragem, amor e esperança, decidimos produzir esse álbum", explica o Superintendente do DAVI, Rafael Cobianchi.
       São aproximadamente duas horas e trinta minutos de imagens e discursos do Papa Francisco. Entre os registros estão: a Missa no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida; a Via-Sacra em Copacabana; a Missa de envio pela 28ª JMJ; a oração do Angelus Domini e o encontro com os jovens voluntários.


>>>Serviço:
Adquira o DVD "#tamujunto com o Papa", valor de R$ 19,90:


> Pelo telefone: (0xx12) 3186-2600

> Nas lojas Canção Nova espalhadas pelo Brasil


Fonte: Canção Nova Notícias
Capa CN Notícias

Balanço do Ano da Fé

A dois meses do encerramento, bispos fazem balanço do Ano da Fé



       O Ano da Fé, proclamado pelo Papa Emérito Bento XVI, termina no dia 24 de novembro. Desde outubro passado, fiéis e toda a Igreja têm tido a oportunidade de refletir mais sobre a fé católica, atendendo à proposta da iniciativa.
       O presidente da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, disse que, ao longo desses 11 meses, houve um esforço geral de valorizar mais a fé, conhecendo seu conteúdo e vivendo-a mais intensamente. Sobre as várias iniciativas no Brasil e no mundo, Dom Sérgio explica que elas se dividiram em vários níveis – local, diocesano, em movimentos – mas a proposta foi sempre estudar os conteúdos fundamentais da fé.
       “Houve uma valorização maior do próprio Catecismo da Igreja Católica. (...) Também eu creio que essa renovação missionária da Igreja aconteceu em nível local e paroquial também motivada pelo Ano da Fé”, disse.
       A busca da educação na fé por parte dos jovens foi um ponto destacado pelo bispo auxiliar da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), Dom Wilson Angotti, como uma dessas iniciativas marcantes. O prelado também é membro da Comissão para a Doutrina da Fé e contou que viu vários grupos de jovens estudando o Catecismo da Igreja Católica e a Doutrina Social da Igreja.
       “Isso desperta em nós a consciência de que os jovens estão buscando, estão aprofundando e a fé tende a se tornar sempre mais consciente e mais firme. Eu acho que isso é algo que fica marcante nesse Ano”.


Aspectos pontuais
       Sem deixar de considerar as ações paroquiais e diocesanas que aconteceram, Dom Sérgio destacou o congresso sobre os 20 anos do Catecismo da Igreja Católica, uma ação em nível de Conferência Episcopal. Ele também citou a publicação de um documento sobre as razões da fé no mundo de hoje.
       “É muito importante as pessoas darem as razões da fé, o porquê creem, por isso que tem que conhecer melhor. A própria Conferência Episcopal, através da Comissão para a Doutrina da Fé, publicou este texto”, exemplificou.
       Em nível mais local, Dom Wilson comentou a intensificação da catequese na região Nossa Senhora da Conceição, onde ele atua em Belo Horizonte. “Nós tivemos um empenho grande em intensificar a catequese, eu acho que é uma iniciativa justamente motivada pelo Ano da Fé e que pode ser percebida em relação ao que o Ano da Fé nos solicitava”.


Provação à fé
       A busca pela confirmação na fé coloca em questão também as diversas formas de abalar a fé nos dias de hoje. Como exemplo, podem ser citados os conflitos na Síria, que causaram muitas mortes e destruição no país, inclusive de cristãos.
       Dom Wilson comenta que as adversidades sempre estiveram presentes na história da Igreja, com desafios e opressões aos cristãos. “Eu acredito que a fé, também nesses ambientes de adversidades, ela se fortalece sempre mais e o testemunho dos cristãos nunca passa em vão”.


Orientações para vivência da fé
       E para estes últimos meses de Ano da Fé, Dom Sérgio e Dom Wilson deixaram algumas orientações para que esse período seja bem vivenciado. Dom Wilson destacou três ações: conhecer, viver e transmitir a fé.
       “É um compromisso que fica para cada um de nós cristãos mesmo terminando o Ano da Fé, que nos serve apenas de uma motivação para que possamos viver esses compromissos que são parte integrante de toda a nossa vida cristã”.
       Dom Sérgio concluiu destacando que estas são ações, inclusive, presentes na estrutura do próprio Catecismo da Igreja Católica. “Nós temos que entender que o Ano da Fé continua a sua proposta de uma vivência da fé, mas da fé que é professada, da fé celebrada, portanto são esses três momentos que estrutura o próprio Catecismo da Igreja Católica: a fé que nós professamos, a fé que nós rezamos ou celebramos, a fé que nós procuramos vivenciar”.


Fonte: Canção Nova Notícias
Capa CN Notícias

Papa Francisco: Angelus - 22/09/2013

Angelus com o Papa em Cagliari



Visita Pastoral a Cagliari – Itália
Angelus
Praça em frente ao Santuário de Nossa Senhora da Candelária
Domingo, 22 de setembro de 2013

Boletim da Santa Sé


Queridos irmãos e irmãs,

Antes de concluir esta celebração, saúdo-vos com afeto, em particular os meus irmãos bispos da Sardenha, a quem agradeço. Aqui, aos pés de Nossa Senhora, gostaria de agradecer todos e cada um de vocês, queridos fiéis, os sacerdotes, os religiosos e as religiosas, as autoridades e de modo especial todos os que colaboraram para organizar esta visita. Sobretudo quero confiar-vos à Maria, Nossa Senhora da Candelária. Mas neste momento penso em todos os numerosos santuários marianos da Sardenha: a vossa terra tem uma ligação forte com Maria, uma ligação que vocês exprimem na vossa devoção e na vossa cultura. Sejam sempre verdadeiros filhos de Maria e da Igreja, e o demonstrem com a vossa vida, seguindo o exemplo dos santos!

A este propósito, recordamos que ontem, em Bergamo, foi proclamado Beato Tommaso Acerbis da Olera, frade Capuchinho, que viveu entre os séculos XVI e XVII. Demos graças por este testemunho de humildade e da caridade de Cristo!

Agora recitamos juntos a oração do Angelus.

Palavras finais

Desejo-vos um bom domingo e um bom almoço!


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Bater à porta de Deus

“Não se cansem de bater à porta de Deus”, diz Papa em homilia em Cagliari



       Em sua visita à cidade italiana de Cagliari neste domingo, dia 22, Papa Francisco celebrou a Santa Missa na praça em frente ao Santuário de Nossa Senhora da Candelária. Na homilia, o Santo Padre destacou a necessidade de saber bater à porta de Deus, de ter confiança Nele, conforme ensina Maria.
       Citando a Primeira Leitura, Francisco explicou que ela retrata Maria em oração, no cenáculo, junto aos apóstolos. Ele disse que Maria reza junto à comunidade dos discípulos e ensina a ter plena confiança em Deus, em sua misericórdia. “Este é o poder da oração! Não nos cansemos de bater à porta de Deus. Levemos ao coração de Deus, através de Maria, toda a nossa vida, cada dia!”.
       O Papa falou ainda do último olhar de Jesus para sua Mãe, momento retratado pelo Evangelho de São João (Jo 19, 25-27). “Maria nos ensina que Deus não nos abandona, pode fazer coisas grandes mesmo com a nossa fraqueza. Tenhamos confiança em Deus! Batamos à porta do seu coração!”.
       E como um outro motivo de sua estadia em Cagliari, Francisco disse que foi para que, todos juntos, pudessem encontrar o olhar de Maria, porque este é como o reflexo do olhar do Pai, que a fez Mãe de Deus, e o olhar do Filho na cruz, que a fez Mãe dos homens. “E com aquele olhar hoje Maria nos olha. Precisamos do seu olhar de ternura, do seu olhar materno que nos conhece melhor que qualquer um, do seu olhar cheio de compaixão e de cuidado. (…) Aprendamos a olharmos uns para os outros sob o olhar materno de Maria!”.
       Francisco explicou ainda que sua ida à cidade da região da Sardenha foi para partilhar as alegrias e esperanças, bem como para confirmar os fiéis na fé. Ele ressaltou que na região há muito sofrimento, em especial pela falta de trabalho. “É necessária a colaboração leal de todos, com compromisso de responsabilidade das instituições – também da Igreja – para assegurar às pessoas e às famílias os direitos fundamentais e fazer crescer uma sociedade mais fraterna e solidária”.
       Pouco antes de iniciar a celebração Francisco dirigiu-se ao interior do Santuário, onde saudou os doentes presentes.  No início da manhã, logo que chegou a Cagliari, ele encontrou-se com os trabalhadores.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova

Papa Francisco: Encontro com trabalhadores em Cagliari

Papa encontra trabalhadores de Cagliari: ‘não deixem roubar a esperança’



       O Papa Francisco visitou neste domingo, dia 22, a diocese de Cagliari, na região italiana de Sardenha. Após ser recebido por autoridades no aeroporto, o Santo Padre teve como primeira atividade um encontro com os trabalhadores.
       Francisco havia preparado um discurso, mas olhando para os trabalhadores resolveu dizer as palavras que lhe vieram ao coração. “Entregarei ao bispo as palavras escritas como se tivessem sido ditas. Mas preferi dizer-vos aquilo que me vem ao coração olhando para vocês neste momento”.
       O Papa explicou que seu objetivo com o encontro foi exprimir sua proximidade aos trabalhadores, especialmente nas situações de sofrimento, como a de jovens desempregados. Ele contou que sabe bem o que é esta experiência, pois seu pai foi para a Argentina cheio de ilusões, mas sofreu a crise dos anos 30. “Eu ouvi, na minha infância dentro de casa, este sofrimento, falar deste sofrimento. Conheço bem isto! Mas devo dizer uma coisa a vocês: Coragem!”.
       O Santo Padre recordou sua visita a Lampedusa e disse que em ambas as cidades ele encontrou sofrimento pela falta de trabalho, o que acaba por roubar a esperança e fazer com que a pessoa se sinta sem dignidade. “Onde não há trabalho, falta dignidade”.
       Esta é uma realidade em vários lugares do mundo e que, segundo explicou o Papa, é consequência de uma escolha mundial, de um sistema econômico que tem como ídolo o dinheiro. Ele lembrou, então, que a vontade de Deus foi colocar no centro do mundo não um ídolo, mas o homem e a mulher que, com seu trabalho, levassem o mundo adiante.
       “Para defender este sistema econômico idolátrico, se instaura a ‘cultura do descartável’: se descartam os avós e se descartam os jovens’. E devemos dizer ‘não’ a esta ‘cultura do descartável’. (…) No centro devem estar o homem e a mulher, como Deus quer, e não o dinheiro!”. E a todos os presentes, os que têm e os que não têm trabalho, Francisco fez um pedido: “Não deixem roubar a esperança! A esperança nos leva adiante”.
       O Papa encerrou o encontro com uma oração conjunta com os trabalhadores. Entre outras palavras, ele pediu: “Senhor, não nos deixe sós, Ajuda-nos a ajudar-nos entre nós; que esqueçamos um pouco o egoísmo e ouçamos no coração o ‘nós’, nós povo que quer seguir adiante”.


Fonte: Canção Nova Notícias - Papa Francisco
Canção Nova