Follow by Email

Páginas

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Santo de todos os santos

Liturgia diária:
Sábado, 21 de janeiro de 2012


Sábado, 21 de janeiro de 2012
2ª Semana do Tempo Comum
Memória de Santa Inês
Cor Vermelha

> Primeira leitura: 2Sm 1, 1-4.11-12.19.23-27
> Responsório: 79(80), 2-3.5-7
> Evangelho: Mc 3, 20-21

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

        Naquele tempo, 20Jesus voltou para casa com os discípulos. E de novo se reuniu tanta gente que eles nem sequer podiam comer. 21Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo, porque diziam que estava fora de si.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Virgen e mártir

Santa do dia (21/01/2012):
Santa Inês


       Virgem e mártir, Santa Inês se deixou transformar pelo amor de Deus que é santo. Seu nome vem do grego, que significa pura. Ela pertenceu a uma família romana e, segundo os costumes do seu tempo, foi cuidada por uma aia (uma babá) que só a deixaria após o casamento.
        Santa Inês tinha cerca de 12 anos quando um pretendente se aproximou dela; segundo a tradição, era filho do prefeito de Roma e estava encantado pela beleza física de Inês. Mas sua beleza principal é aquela que não passa: a comunhão com Deus. De maneira secreta, ela tinha feito uma descoberta vocacional, era chamada a ser uma das virgens consagradas do Senhor; e fez este compromisso. O jovem não sabia e, diante de tantas propostas, ela sempre dizia 'não'. Até que ele denunciou Inês para as autoridades, porque sob o império de Diocleciano, era correr risco de vida. Quem renunciasse Jesus ficava com a própria vida; caso contrário, se tornava um mártir. Foi o que aconteceu com esta jovem de cerca de 12 ou 13 anos.
        Tão conhecida e citada pelos santos padres, Santa Inês é modelo de uma pureza à prova de fogo, pois diante das autoridades e do imperador, ela se disse cristã. Eles começaram pelo diálogo, depois as diversas ameaças com fogo e tortura, mas em nada ela renunciava o seu Divino Esposo. Até que pegaram-na e a levaram para um lugar em Roma próprio da prostituição, mas ela deixou claro que Jesus Cristo, seu Divino Esposo, não abandona os seus. De fato, ela não foi manchada pelo pecado.
        Auxiliada pelo Espírito Santo, com muita sabedoria, ela permaneceu fiel ao seu voto e ao seu compromisso; até que as autoridades, vendo que não podiam vencê-la pela ignorância, mandaram, então, degolar a jovem cristã. Ela perdeu a cabeça, mas não o coração, que ficou para sempre em Cristo.
        Santa Inês tem uma basílica que foi consagrada a ela no lugar onde foi enterrada.

Começou com 12...

Liturgia diária:
Sexta-feira, 20 de janeiro de 2012


Sexta-feira, 20 de janeiro de 2012
 2ª Semana do Tempo Comu
Festa de São Sebastião
Cor Vermelha

> Primeira leitura: 1Sm 24, 3-21
> Responsório: Sl 56(57), 2-4.6.11
> Evangelho: Mc 3, 13-19

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

        Naquele tempo, 13Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele. 14Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar, 15com autoridade para expulsar os demônios. 16Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro; 17Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer “Filhos do trovão”; 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o cananeu, 19e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Jesus te chama

Reflexão do Evangelho: 
Marcos 3, 13-19


       Jesus escolheu doze de Seus discípulos para serem Seus apóstolos, conforme também nos narra Mateus 10,1-4; 11,1; 26,20; e Lucas 6,13-16. Após a Morte e Ressurreição de Cristo eles são onze, até ser escolhido um substituto para Judas – que O traiu e enforcou-se a seguir (cf. Mateus 28,16).
       No livro do Apocalipse Jesus confirma-os como sendo doze na revelação a João: “O muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro” (Apocalipse 21,14). E para que não nos apresentasse somente uma quantidade de homens Jesus os denomina dizendo quem são e de onde são. Portanto, trata-se de pessoas bem conhecidas d’Ele.
       Nesse trecho do Evangelho, Jesus escolhe alguns discípulos de Sua confiança, que tinham interesse por Ele e pelas coisas que Ele dizia. Esses discípulos, conhecidos como apóstolos, foram os primeiros e os mais autorizados discípulos do Mestre Jesus em passar adiante os ensinamentos d’Ele. Tradição esta que começou com os discípulos que O viram, que conviveram com Ele, que beberam de Seus lábios a Palavra do próprio Deus, inspiradas pelo Espírito Santo. Razão pela qual, sempre que vamos ouvir a Palavra ou meditar sobre ela com todo o arcabouço de fé que possuímos, costumamos pedir as luzes do Espírito Santo. Ele que falou de tantos modos aos patriarcas, profetas e apóstolos, que nos ilumine, para que a Palavra de Deus seja uma coisa viva em nós.
       Quando Jesus escolheu os Doze seguidores, não estava dando a eles apenas um privilégio de estarem mais perto d’Ele, mas estava lhes conferindo um ministério apostólico, com a incumbência de levarem a todo o mundo a salvação trazida por Ele. E os discípulos entenderam muito bem; tanto que fizeram questão de guardar e transmitir com fidelidade a mensagem recebida a todos os homens e mulheres de boa vontade. Eu agradeço essa grande graça de ter recebido a mensagem de Jesus por intermédio de Seus apóstolos!
       Como o chamado não parou com a eleição dos Doze e continua até os dias de hoje, eu e você somos também chamados a guardar e transmitir aos nossos irmãos – a começar pelos da nossa casa – a Boa Nova da Salvação. Eu tenho consciência plena e viva de que a Palavra do Salvador: “Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus” se aplica com toda verdade a mim e a você. Por isso, com São Paulo digo: “Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; é, antes uma necessidade que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!”
       Quero confirmar, uma vez mais ainda, que a tarefa de evangelizar a todos os homens constitui a missão essencial minha e sua como Igreja; tarefa e missão, que as amplas e profundas mudanças da sociedade atual as tornam ainda mais urgentes. Evangelizar constitui, de fato, a graça e a vocação própria da Igreja, a sua mais profunda identidade. Ela existe para evangelizar, ou seja, para pregar e ensinar, ser o canal do dom da graça, reconciliar os pecadores com Deus e perpetuar o sacrifício de Cristo na Santa Missa, que é o memorial da Sua morte e gloriosa ressurreição. Portanto, seja um evangelizador!

Padre Bantu Mendonça

Soldado da fé

Santo do dia:
São Sebastião


       O santo de hoje nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. São Sebastião, desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço. Recebeu a graça do santo batismo e zelou por ele em relação à sua vida e à dos irmãos.
        Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem – nesse tempo, no Império de Diocleciano, a Igreja e os cristãos eram duramente perseguidos –, porque o imperador adorava os deuses. Enquanto os cristãos não adoravam as coisas, mas as três Pessoas da Santíssima Trindade.
        Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.
        São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.
        São Sebastião, defensor da verdade no amor apaixonado a Deus. O imperador, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.

        São Sebastião, rogai por nós!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Eis que é chegada a hora...

Liturgia diária:


Quarta-feira, dia 18 de janeiro de 2012
2ª Semana do Tempo Comum
Festa de Santa Margarida da Hungria
Cor Verde

> Primeira leitura: 1Sm 17, 32-33.37.40-51
> Responsório: 143(144), 1-2.9-10
> Evangelho: Mc 3, 1-6


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

        Naquele tempo, 1Jesus entrou de novo na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca. 2Alguns o observavam para ver se haveria de curar em dia de sábado, para poderem acusá-lo. 3Jesus disse ao homem da mão seca: “Levanta-te e fica aqui no meio!” 4E perguntou-lhes: “É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?” Mas eles nada disseram. 5Jesus, então, olhou ao seu redor, cheio de ira e tristeza, porque eram duros de coração; e disse ao homem: “Estende a mão”. Ele a estendeu e a mão ficou curada. 6Ao saírem, os fariseus com os partidários de Herodes, imediatamente tramaram, contra Jesus, a maneira como haveriam de matá-lo.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Levanta-te

Refletindo o evangelho:


       Ao mencionar que “outra vez, Jesus entrou na sinagoga”, Marcos relaciona esse episódio com o do homem possuído de um espírito impuro, na sinagoga de Cafarnaum. Quando o Senhor liberta o homem, os demônios Lhe perguntam se Ele queria “destruí-los”. Agora, quando Ele cura o homem da mão seca, são os fariseus e os herodianos que decidem “destruir” o Messias.
       Jesus, com Sua prática, mostra que o serviço à vida não pode ser barrado por preceitos legais que atentam contra a própria vida. Uma religião de rígidos preceitos se presta ao favorecimento dos privilégios e do poder de suas elites.
       Hoje vemos as maiores potências do mundo, que acumulam poder financeiro e militar e, muitas vezes, promoverem a guerra, buscando um respaldo religioso nessas atitudes. Os povos colocam a sua esperança em uma ética mundial para salvar a humanidade do caos e da destruição. Qualquer ética, seja religiosa ou secular, terá como fundamento o compromisso com a justiça e a fraternidade, as quais devem levar a ações práticas de promoção da vida para todos.
       Um dos grandes feitos de Jesus aconteceu quando Ele estava na sinagoga e encontrou ali um homem que tinha uma das mãos atrofiada. O Senhor se encontrava diante de um desafio, não em relação à cura, mas sim por causa da religiosidade.
       A religiosidade, se mal interpretada, pode deixar profundas marcas de derrota e fracasso. O que aquele homem estava fazendo dentro da sinagoga? A sinagoga era o lugar de adoração. Provavelmente ele estava lá porque fazia parte do grupo. Mas não havia experimentado um milagre em sua vida, porque estava vivendo uma religiosidade vazia e não a verdadeira fé.
       Isso acontece nos dias de hoje. Quantos vivem esse tipo de religiosidade… Vivem debaixo de um jugo terrível. Aceitam viver a derrota simplesmente porque ainda não conheceram Aquele que era, que é e que há de vir. A atrofia na mão daquele homem, talvez tenha se agravado com o decorrer dos tempos. Talvez nascera assim. Era um quadro de conformismo.
       O que eu posso fazer se minha vida não muda? O que posso mais fazer se meu marido não se converte? Hoje Deus vai curar “mãos atrofiadas”! Hoje o Senhor vai restaurar mãos infrutíferas! Uma mão atrofiada não encontra força para segurar um objeto, operar um equipamento. Satanás quer fazer com que sua mão fique sempre atrofiada para que você nunca consiga agarrar o milagre, por isso, neste momento, levante sua mão para o alto e receba um milagre de cura! Deus vai  curá-lo de todas as suas atrofias espirituais e físicas!
       Existe em nosso meio muita gente com suas habilidades atrofiadas, seus talentos enterrados e sem esperança alguma. Mãos paralisadas pela decepção, pelo medo, pela mágoa, pela falta de perdão. Mãos que não mais produzem porque satanás conseguiu convencer que sua mão não prospera. Mas Deus lhe fala neste momento que em tudo o que você colocar a sua mão o Senhor fará com que prospere! Mãos atrofiadas pertencem a religiosos fariseus que nunca experimentaram o milagre da ressurreição. Hoje Deus vai curar “mãos atrofiadas”! Aleluia! Hoje Deus vai restaurar!
       Aquele homem estava numa posição lateral, porque Jesus o chamou para o meio. “Vir para o meio” significa abandonar a apostasia, a incredulidade, a indecisão. “Vir para o meio” significa deixar a religiosidade vazia, as impossibilidades, os preceitos humanos.
       Três coisas importantes o Senhor manda fazer antes de curar-nos da atrofia: “Levante-se, vem para o meio e estende a tua mão”.
       Não existe nenhum registro na Bíblia de que Jesus tivesse curado alguém sem antes mandar que se levantasse. Até a menina de 12 anos, que havia morrido, filha do centurião recebeu uma ordem expressa de Jesus: Thalita kum (Menina a ti te digo: Levanta-te!). Outro episódio: o homem, que estava havia 38 anos deitado ao lado do tanque de Betesda, esperando que alguém pudesse ajudá-lo, ao encontrá-lo Jesus disse: “Levanta-te, toma a tua cama e anda”.
       Você precisa se levantar neste momento! Deus não fará nada se você não se levantar. Levante-se agora em nome de Jesus! O seu passado não pode condená-lo porque nenhuma condenação há para os que estão em Cristo! A atrofia espiritual vai ser destruída agora porque o Senhor está mandando: “Levanta-te!”
       Uma das coisas que não acompanharam o ministério de Jesus foi a timidez. Quando estava presente na sinagoga perceba que Ele se encontrava numa posição centralizada. Ele disse ao homem: “Vem para o meio”.
       “Vir para o meio” implica você ter que deixar de lado a timidez, o desânimo, a preguiça, o medo. O milagre acontece quando você se apresenta diante do Trono! O Senhor está mandando você se levantar e vir para o meio! Aleluia! Saia agora mesmo da marginalidade espiritual e venha para o meio! Não se incomode com o que as pessoas vão dizer. Não perca a bênção! Venha para o meio agora em nome de Jesus!
       Você precisa mostrar sua deformação para Jesus. Mostre sua “mão atrofiada”. Mostre para Ele sua dor, seu sofrimento. Quando aquele homem estendeu sua mão, aconteceu algo: ele foi curado! Hoje você vai apresentar ao Senhor suas angústias, suas decepções, as situações de atrofia e o Senhor vai restaurar a sua visão. Na restauração você verá que há muito tempo o milagre estava na sua mão. Aleluia! Satanás que o deixou atrofiado faz de tudo para você continuar assim, porque sabe que se você assumir a cura, ele terá que abandonar sua casa, seu marido, sua família. Em nome de Jesus estenda a sua “mão atrofiada” e receba a cura hoje!
       Deus quer que sua situação de atrofia seja mudada agora mesmo! Não importa como as pessoas verão isso! Só sei que elas verão.
       Neste momento está acontecendo neste lugar uma movimentação de anjos que já entraram aqui com você! Hoje o milagre visitará sua casa, sua família, sua vida, seu casamento, seus filhos, seu trabalho e toda atrofia vai sair em nome de Jesus! Aquele homem, que antes estava com a mão atrofiada, recobera todas as suas habilidades e isso significa que ele receberia tudo em dobro, porque uma pessoa com determinada deficiência, precisa se habilitar dentro de suas limitações para fazer coisas, para poder viver o máximo que puder independente. Quero dizer que hoje Deus devolverá suas habilidades, seus dons, seu ministério, sua prosperidade em dobro! Receba essa graça agora em nome de Jesus! Não se aflija mais! Levante-se, vá para o meio e estenda a sua mão e ela ficará curada por Jesus, o Médico dos médicos!


Padre Bantu Mendonça

Santa da Hungria

Santa do dia:
Santa Margarida da Hungria


       Nasceu no castelo de Turoc, em 1242. Filha de reis cristãos, convertidos, os pais passaram valores à filha, que, rapidamente, foi batizada e quis corresponder muito cedo à vocação e à vida religiosa. Formou-se junto às dominicanas e, depois de fazer os primeiros votos, ela foi viver num mosteiro que os seus pais construíram para ela na Ilha de Lebres.
        Embora tivesse uma origem real, não era apegada aos bens materiais; brilhou por ser exemplo de pobreza, de desapego. Santa Margarida viveu o apego somente ao essencial; e as irmãs eram atingidas por esse testemunho. Mulher de oração, foi exemplo de vida comunitária e disposta a amar os irmãos como eles eram.

Santa Margarida da Hungria, rogai por nós!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Obrigado / Thank you / Muchas gracias



Agradecimentos: 
       Queridos jovens de todo o mundo,
com menos de um ano de existência, o Blog Jovem em Ação já ficou conhecido em vários países. Jovens de muitoas localidades tiveram a graça de conhecer o Blog.
       Por isso, queremos agradecer a todos vocês pelas visitas e pelo acompanhamento das postagens. Então, divulguem o Blog Jovem em Ação aos seus amigos e familiares, e façam comentários em nossas postagens, porque Jesus desejam alcançar a todos, e podem ter certeza que Ele já alacançou a você.
       Pois, Jesus te ama muito e e jamais vai te abandonar. Confie nEle que você vai ganhar a vida eterna.


Thanks: 
        Dear young people around the world,
less than one year of existence, the Youth in Action Blog was already known in several countries. Young got a lot of places had the grace to know the blog.
        So we want to thank you all for the visits and monitoring of the posts. So spread the word Youth in Action Blog to your friends and family, and to make comments on our posts, because Jesus want to reach everyone, and can be assured that He alacançou you.
        Well, Jesus loves you very much and and will never abandon you. Trust Him you will gain eternal life.


Gracias:
       Queridos jóvenes de todo el mundo,
menos de un año de existencia, la Juventud en Acción del Blog ya era conocido en varios países. Young consiguió que un montón de lugares tuvo la gracia de conocer el blog.
        Por lo tanto, quiero dar las gracias a todos por las visitas y el seguimiento de los mensajes. Por eso, pon la palabra en la Juventud de Acción del Blog a tus amigos y familiares, y de hacer comentarios sobre nuestros puestos, porque Jesús quiere llegar a todos, y pueden estar seguros de que Él te alacançou.
        Pues bien, Jesús te ama mucho y ya nunca te abandonará. Confía en Él tendrá la vida eterna.

Jesus ensina com autoridade

Liturgia diária:


Terça-feira, 10 de janeiro de 20112
1ª Semana do Tempo Comum
Cor Verde

> Primeira leitura: 1Sm 1, 9-20
> Responsório: 1Sm 2, 1.4-8
> Evangelho: Mc 1, 21b-28


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

       21bEstando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.
       23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!”
       26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “Que é isso? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Lute contra o pecado

Reflexão do Evangelho de Marcos 1, 21b-28


       Com este gesto de expulsão do demônio, Jesus deixa-nos uma promessa e a certeza de que “estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas” (Marcos 16,17). Por outro lado, que também muitas coisas do mal podem influenciar o nosso dia a dia, como, por exemplo, a mentira, a inveja, o orgulho, a infidelidade com o irmão, a falsidade, entre outros. Tudo isso é ação do mal dentro de nós, se nos deixarmos ser conduzidos por estes sentimentos e por essas más inclinações ficaremos longe de Deus e, ao ficarmos longe do Senhor, o nosso dia tende a ser péssimo. E se o dia é péssimo, a semana também pode ser. E, assim, o mês e o ano também podem ser péssimos!
       No Evangelho de hoje, Jesus expulsa o mal de um homem. Trata-se de uma possessão e o Senhor ordena que o espírito mau se cale e, no mesmo instante, o homem é liberto. Cristo nos deixou a graça de lutarmos contra o mal, quando percebemos que estamos agindo de forma errônea devemos também repreender esse mal dentro nós. Quando começo a mentir, quando começo a sentir inveja de alguém, quando começo até mesmo a me desanimar e a me culpar eu devo dizer assim: “Senhor Jesus, em Teu nome eu repreendo todo espírito de desânimo, mentira, inveja, etc!”
Percebam que o nome de Jesus deve vir em primeiro lugar, assim evitaremos lutar diretamente contra o mal. Por isso, dizemos o nome de Jesus “em primeiro lugar”, pois assim O colocamos à nossa frente. Desse modo, o próprio Senhor vai combater o espírito mau que nos guia para fazer uma ação contra alguém ou contra nós mesmos.
       Podemos também repreender em nome de Jesus todas as pragas lançadas contra nós, todos os olhares que são lançados contra nós, dizendo: “Senhor Jesus, em Teu nome eu repreendo essas palavras e esses olhares”.
       O ensinamento de hoje é muito importante para o nosso dia a dia, devemos colocar Jesus sempre à frente, se assim não o fizermos acumularemos fracassos, derrotas atrás de derrotas, porque estaremos aceitando o mal em nós e nosso dia será ruim e assim sucessivamente. Razão pela qual Jesus nos disse que todos esses milagres acompanharão aqueles que acreditarem em Seu nome. Por isso a partir de hoje proclame o nome de Jesus na sua vida, em tudo repreenda a ação do mal “e o inimigo fugirá de vós” (Tiago 4,7).
       A autoridade com que Jesus falava e realizava milagres chamava a atenção das pessoas. Embora houvesse muitos mestres e se tivesse notícia de indivíduos capazes de operar prodígios, Ele se distinguia de todos os demais. Não era um “milagreiro” qualquer, nem um rabi como tantos outros. Em que consistia a originalidade de Cristo?
       As palavras e as ações de Jesus apontavam para algo que O superava. Não correspondiam àquilo que se podia esperar de um ser humano comum. Por exemplo, o modo como se defrontava com os espíritos imundos, e os submetia destemidamente, tinha algo de insólito. O segredo de tudo isso é que Jesus era detentor de um poder recebido de Deus. Era o Pai mesmo quem agia por meio do Filho. Por isso, o povo percebia existir algo de especial no que Ele fazia. O próprio Jesus afirmava não agir por conta própria, e sim, por iniciativa divina. Jamais dissera estar n’Ele a fonte de Seu poder. Antes, buscava sempre levar Seus ouvintes e espectadores a atribuir a Seu Pai tudo o que viam e ouviam. As ações do Mestre eram verdadeira revelação do Pai.
       Ao constatar que Jesus ensinava, com autoridade, uma doutrina nova, as pessoas podiam reconhecer, logo, a ação de Deus no meio delas.
       E quando você fala, o que as pessoas reconhecem nas suas palavras?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Começou mais um dia...


Jovens amados de Deus,
neste dia que já começou, queremos desejar-lhes um ótimo dia com muitas bençãos derramadas por Deus e, também, uma semana muito abençoada, por isso, nós dizemos:

BOM DIAAAAAAA,
QUE NESTE NOVO DIA
DEUS TE DÊ A ALEGRIA
COM JESUS E COM MARIA,
BOM DIA, 
BOM DIA!!!

Festa de batismo

Liturgia diária:


Segunda-feira, 09 de janeiro de 2012
Festa do Batismo do Senhor
Cor Branca

> Primeira leitura: Isaías 42, 1-4.6-7
> Responsório: Salmos 28
> Segunda leitura: Atos 10, 34-38
> Evangelho: Marcos 1, 7-11

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

        Naquele tempo, 7João Batista pregava, dizendo: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. 8Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”. 9Naqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia, e foi batizado por João no rio Jordão. 10E logo, ao sair da água, viu o céu se abrindo, e o Espírito, como pomba, descer sobre ele. 11E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Responda:

Como você tem vivido o seu batismo???


       João Batista não negava que em sua vida havia poder do Alto para operar a obra que já havia sido designada por Deus a ele desde a época dos profetas. Esse poder consistia na pregação do Reino e na remissão dos pecados pelo arrependimento, externado no rito do batismo nas águas.
       Hoje nossa cultura religiosa limita o poder do Alto essencialmente a manifestação de milagres de cura e operações sobrenaturais, pelo simples fato de que estes sinais aconteciam no ministério de Jesus. Mas releva-se que o contexto onde estes eventos sobrenaturais aconteciam, eram no fundo para servirem de confronto com a mentalidade religiosa e estas operações sempre serviram para que a consciência dos participantes e espectadores se convertesse de sua acomodação e limitação espiritual.
       Reitero que creio em milagres e operações sobrenaturais, no entanto, não firmo minha fé exclusivamente nessas ocorrências. Deus pode não achar bom curar determinadas pessoas, por motivos que competem exclusivamente a Ele decidir não curar ou fazer o milagre que acho necessário que aconteça. Mesmo diante desse contexto, Ele não deixará de ser Deus. Mas se firmar minha fé somente no que vejo de extraordinário, caso um não-milagre aconteça, minha fé corre o sério risco de revelar-se superficial e inoperante para trazer paz a minha vida em momentos de aflição.
       O ato de retirar as sandálias era uma função dos escravos da casa de um nobre, para após isso lavar os pés e ungi-los com óleo para que se re-hidratassem da caminhada no clima árido do deserto. Portanto, era uma posição de máxima subserviência ao amo. Observe-se que desamarrar era o mais simples ato deste costume comum à época, que implicava em curvar-se para tanto, um sinal que no contexto espiritual significa reverenciar a Deus.
       Por saber que o seu poder vem de Deus, João Batista submete-se a autoridade d´Ele pois sabia que somente prenunciava O mais poderoso que haveria de vir, colocando-se numa posição de máxima subserviência, como os escravos que lavavam e hidratavam os pés do amo e seus convidados.
       Mesmo com esse poder, João Batista sabia que por mais que o batismo nas águas significasse que o interior do ser havia se conscientizado do pecado e do amor de Deus em implantar seu Reino entre os arrependidos, esse batismo não era suficiente para fazer o homem a mudar seu instinto natural ao pecado, necessitando da intervenção divina na vida do ser, o que só se realizaria com o batismo no Espírito Santo que só Jesus pode promover.
       Para que essa possibilidade se tornasse realidade, Jesus cumpriu o rito do batismo do arrependimento, mesmo sendo Ele um “Rabi”, que quer dizer Mestre. Esse batismo do arrependimento de Jesus foi também Seu batismo com e no Espírito Santo, uma vez que o Espírito Santo desceu como uma pomba sobre Ele. E uma voz se fez ouvir: “Tu és o meu Filho querido e me dás muita alegria”.
       Pensemos: se Jesus sendo um dos mestres judaicos, em se “arrependendo” e do ponto-de-vista demonstrado na Bíblia de que Cristo padeceu na carne todo tipo de tentação e inclinação carnal – portanto passível de arrependimento também como homem – abriu a possibilidade para que Deus desse de Seu Espírito para Ele, então essa possibilidade também está aberta a todos que assim o desejar!
       Esse objetivo divino – fazer com que Seu Espírito faça habitação em todos os que se arrependem – é cumprido em Cristo em seu batismo no Rio Jordão. E o júbilo divino em ver esse objetivo cumprido em Jesus é traduzido por seu inesperado rompante, declarando Sua alegria em ver Seu filho amado cumprindo Sua vontade. O Espírito Santo é Deus nos guiando em toda a verdade, fazendo florescer os dons – em especial o do amor – e dando-nos a capacitação para mudarmos nossa mentalidade corrompida, frutificando em obras e vida plena.
       Como você tem vivido o seu batismo? Quero recordar a você que o nosso batismo é um compromisso de seguimento a Cristo, na transformação deste mundo pelo amor de Deus, incutido em nosso coração por Jesus hoje batizado no Jordão por João Batista.

Um santo bispo de Deus

Santo do dia:
Santo André Corsini


       Nasceu no século XIV, dentro de uma família muito conhecida em Florença: a família Corsini. Nasceu no ano de 1302. Seus pais, Nicolau e Peregrina não podiam ter filhos, mas não desistiam, estavam sempre rezando nesta intenção até que veio esta graça e tiveram um filho. O nome: André.
        Os pais fizeram de tudo para bem formá-lo. Com apenas 15 anos, ele dava tanto trabalho e decepções para seus pais que sua mãe chegou a desabafar: “Filho, você é, de fato, aquele lobo que eu sonhava”. Ele ficou assustado, não imaginava o quanto os caminhos errados e a vida de pecado que ele estava levando, ainda tão cedo, decepcionava tanto e feria a sua mãe. Mas a mãe completou o sonho: “Este lobo entrava numa igreja e se transformava em cordeiro”. André guardou aquilo no coração e, sem a mãe saber, no outro dia, ele entrou numa igreja. Aos pés de uma imagem de Nossa Senhora ele orava, orava e a graça aconteceu. Ele retomou seus valores, começou uma caminhada de conversão e falou para o provencial carmelita que queria entrar para a vida religiosa. Não se sabe, ao certo, se foi imediatamente ou fez um caminho vocacional, o fato é que entrou para a vida religiosa na obediência às regras, na vida de oração e penitência. Ele foi crescendo nessa liberdade, que é dom de Deus para o ser humano.
        Santo André ia se colocando a serviço dos doentes, dos pobres, nos trabalhos tão simples como os da cozinha. Ele também saía para mendigar para as necessidades de sua comunidade. Passou humilhação, mas sempre centrado em Cristo.
        Os santos foram e continuam a ser pessoas que comunicaram Cristo para o mundo. Mas Deus tinha mais para André. Ele ordenou-se padre e como tal continuava nesse testemunho de Cristo até que Nosso Senhor o escolheu para Bispo de Fiesoli. De início, ele não aceitou e fugiu para a Cartuxa de Florença e ficou escondido; ao ponto de as pessoas não saberem onde ele estava e escolher um outro para ser bispo, pela necessidade. Mas um anjo, uma criança apareceu no meio do povo indicando onde ele estava escondido. Apareceu também uma outra criança para ele dizendo-lhe que ele não devia temer, porque Deus estaria com ele e a Virgem Maria estaria presente em todos os momentos. Foi por essa confiança no amor de Deus que ele assumiu o episcopado e foi um santo bispo. Até que em 1373, no dia de Natal, Nossa Senhora apareceu para ele dizendo do seu falecimento que estava próximo. No dia da Epifania do Senhor, ele entrou para o céu.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Recebemos a intercessão de nossa Mãe

Liturgia diária:

 
Sábado, 07 de janeiro de 2012
Sábado antes da Epifania do Senhor
Festa de São Raimundo de Peñafort
Cor Branca

> Primeira leitura: 1Jo 5, 14-21
> Responsório: Sl 149
> Evangelho: 2, 1-11

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

        Naquele tempo, 1houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”. 5Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. 6Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros. 7Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. 9O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. 10O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho bom até agora!”
11Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Exemplo de santidade

Santo do dia: 07/01/2012
São Raimundo de Peñafort


       Nasceu no castelo de Peñafort, Barcelona, Espanha, no ano de 1175. Desde cedo, muito dedicado aos estudos, ele se especializou em Bolonha, na Itália, na universidade onde se tornou também um reconhecido mestre. Deixou aquela realidade que tanto amava para obedecer ao Bispo de Barcelona que o queria como cônego. Ele prestou esse serviço até discernir seu chamado à vida religiosa, quando entrou para a família dominicana e continuou em vários cargos de formação, mas aberto à realidade e às necessidades da Igreja, onde exerceu o papel de teólogo do Cardeal-bispo de Sabina; também foi legado na região de Castela e Aragão; depois, transferido para Roma, ocupou vários cargos.
        Ele não buscava nem tinha em mente um projeto de ocupar este ou aquele serviço, mas foi fiel àquilo que davam a ele como trabalho para a edificação da Igreja. Na Cúria Romana, quantos cargos ligados a Teologia, Direito Canônico! Um homem de prudência, de governo. Seu último cargo foi de penitencieiro-mor do Sumo Pontífice. Quiseram até escolhê-lo como Arcebispo, mas, nesta altura, ele voltou para a Espanha; quis viver em seu convento, em Barcelona, como um simples frade, mas fossem os reis, o Papa e tantos outros sempre recorriam ao seu discernimento.
        São Raimundo escreveu a respeito da casuística. Enfim, pelos escritos e pelos ensinos, ele investia numa ação de mestres e missionários, pois tinha consciência de que precisava de missionários bem formados para que a evangelização também fluísse. Ele não fez nada sozinho, contou com a ajuda de São Tomás de Aquino, ajudou outros a discernir a vontade do Senhor, como São Pedro Nolasco, que estava discernindo a fundação de uma nova ordem consagrada a Nossa Senhora das Mercês – os mercedários. Homem humilde que se fez servo, foi escolhido como Superior Geral dos Dominicanos. Homem de pobreza, de obediência e pureza; homem de oração. Por isso, os santos como São Raimundo, um exemplo. Faleceu em Roma, em 1275; cem anos consumindo-se pela obra do Senhor.

O Filho amado de Deus

Liturgia diária:


Sexta-feira, 06 de janeiro de 2012
Sexta-feira antes da Epifaniado Senhor
Cor Branca

> Primeira leitura: 1Jo 5, 5-13
> Responsório: Sl 147
> Evangelho: Mc 7, 1-11

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

        Naquele tempo, 7João pregava, dizendo: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. 8Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”. 9Naqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia, e foi batizado por João no rio Jordão. 10E logo, ao sair da água, viu o céu se abrindo, e o Espírito, como pomba, descer sobre ele. 11E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Batismo é compromisso

Refletindo a Palavra de Deus
Sexta-feira, 06 de janeiro de 2012


       João Batista não negava ser comandado pelo poder do Alto para operar a obra designada a ele por Deus desde a época dos profetas. Esse poder consistia na pregação do Reino e na remissão dos pecados pelo arrependimento, externado no rito do batismo nas águas.
       Hoje nossa cultura religiosa limita o poder do Alto essencialmente à manifestação de milagres de cura e operações sobrenaturais pelo simples fato de que estes sinais aconteciam no ministério de Jesus. Mas releva-se que o contexto, onde estes eventos sobrenaturais aconteciam, eram no fundo para servir de confronto com a mentalidade religiosa e estas operações sempre serviram para que a consciência dos participantes e espectadores se convertesse de sua acomodação e limitação espiritual.
       Reitero que creio em milagres e operações sobrenaturais, no entanto, não firmo minha fé exclusivamente nessas ocorrências. Deus pode não achar bom curar determinadas pessoas, por motivos que competem exclusivamente a Ele decidir. Mesmo diante desse contexto, Ele não deixará de ser Deus. Mas se firmar minha fé somente no que vejo de extraordinário, caso não aconteça o milagre de que necessito, minha fé correrá o sério risco de revelar-se superficial e inoperante para trazer paz à minha vida em momentos de aflição.
       O ato de retirar as sandálias era uma função dos escravos da casa dos nobres, para a seguir lavarem-lhes os pés e ungi-los com óleo para que se reidratassem da caminhada no clima árido do deserto. Portanto, era uma posição de máxima subserviência ao amo. Observe-se que desamarrar era o mais simples ato deste costume comum à época, que implicava em se curvar,  um sinal que no contexto espiritual significa reverenciar a Deus.
       Por saber que o seu poder vem de Deus, João Batista submete-se à autoridade d’Ele, pois sabia que somente prenunciava o mais poderoso que haveria de vir, colocando-se numa posição de máxima subserviência, como os escravos que lavavam e hidratavam os pés do amo e seus convidados.
       Mesmo com esse poder, João Batista sabia que, por mais que o batismo nas águas significasse que o interior do ser havia se conscientizado do pecado e do amor de Deus em implantar Seu Reino entre os arrependidos, este [batismo] não era suficiente para fazer o homem mudar seu instinto natural ao pecado. Razão pela qual necessitava da intervenção divina na vida do ser, o que só se realizaria com o batismo no Espírito Santo, promovido somente por Jesus.
       Para que essa possibilidade se tornasse realidade, Jesus cumpriu o rito do batismo do arrependimento, mesmo sendo Ele um “Rabi”, que quer dizer Mestre. Esse batismo do arrependimento de Cristo foi também Seu batismo com e no Espírito Santo, uma vez que o Espírito Santo desceu como uma pomba sobre Ele. E uma voz se fez ouvir: “Tu és o meu Filho querido e me dás muita alegria”.
       Pensemos: se Jesus, sendo um dos mestres judaicos, ao se “arrepender” e sob o ponto de vista demonstrado na Bíblia de que Ele padeceu na carne todo tipo de tentação e inclinação carnal – portanto passível de arrependimento também como homem – abriu a possibilidade para que Deus desse de Seu Espírito para Ele, então essa possibilidade também está aberta a todos que assim o desejam!
       Esse objetivo divino – fazer com que Seu Espírito faça habitação em todos os que se arrependem – é cumprido em Cristo em Seu batismo no Rio Jordão. E o júbilo divino em ver esse objetivo cumprido em Jesus é traduzido por Seu inesperado rompante, declarando Sua alegria em ver Seu Filho amado cumprindo Sua vontade. O Espírito Santo é Deus nos guiando em toda a verdade, fazendo florescer os dons – em especial o do amor – e dando-nos a capacitação para mudarmos nossa mentalidade corrompida, frutificando em obras e vida plena.
       Como você tem vivido o seu batismo? Quero recordar a você que o nosso batismo é um compromisso de seguimento a Cristo, na transformação deste mundo pelo amor de Deus, incutido em nosso coração por Jesus hoje batizado no Jordão por João Batista.